DOS VERSOS SEM NOME

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

I

Versos engravidam!

Versos parem

sobre paredes,parem

versos de rua

em silêncio.

II

Tanto mais do que o espanto

o pranto lava a lama

entranha de corpo nu.

III

Grosseiramente exposto,

o corpo,corrupto e turvo

se embriaga.

IV

Há homens que têm força,

mas,como as pedras não têm

voz.

V

O verso lírico

se maldiz

diante do que faz

o verso insano.

VI

Se vis,

serão os homens

um dia,civilizados?!…

 

 

Fonte: Cezar Ubaldo

OUTRAS NOTÍCIAS