Família encontrada morta em Ferraz de Vasconcelos não foi envenenada

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

As investigações sobre a morte de Dina Vieira da Silva e seus quatro filhos de 7, 11, 12 e 16 anos em Ferraz de Vasconcelos, na Grande São Paulo, sofreram uma reviravolta nesta segunda-feira (23) após o depoimento da única filha sobrevivente de Dina. A família foi encontrada morta em um apartamento recentemente alugado e a polícia suspeitava que o namorado de Dina, o boliviano Alex Guinones Pedraza, de 33 anos, tivesse envenenado o bolo e o suco consumidos por eles horas antes da morte.

 

Em depoimento, a menina Alessandra, de seis anos, contou à polícia que foi a mãe quem preparou o bolo e o suco, e que ela própria comeu dois pedaços de bolo. Quanto ao suco, a menina afirma que experimentou, mas não quis beber mais porque sentiu nojo ao ver que a mãe adicionou água de torneira ao suco. Alex também experimentou o suco e achou que o sabor estava muito forte, pedindo a Dina que colocasse mais água na mistura, ainda de acordo com depoimento de Alessandra.

 

A polícia concluiu que se o bolo e o suco tivessem sido envenenados tanto a menina quanto Alex também teriam sido intoxicados, o que não aconteceu. Esta informação reforça o resultado dos laudos que, apesar de não terem sido oficialmente divulgados, fontes da polícia afirmam que já estariam prontos e atestariam não haver indícios de veneno no bolo e no suco.

 

A menina também informou que não houve nenhuma briga naquele dia e que o pai, Alex, passou boa parte da manhã e da tarde assistindo à TV na cama. Naquela noite, Vitória, uma das filhas, ficou resfriada porque foi tomar banho na piscina, não a lazer, mas porque o chuveiro do apartamento estava “quebrado”, lembra a menina. Já a mãe de Alex, dona Consuelo, informou à polícia que no dia anterior Dina tinha pedido para tomar banho no apartamento da sogra no centro de São Paulo, porque o chuveiro dela estava vazando gás.

 

Num depoimento rico em detalhes, a pequena Alessandra disse à polícia que ela e seus irmãos chamavam Alex de pai, mesmo os irmãos sendo só filhos de Dina, e que a relação era muito boa entre eles e o namorado da mãe. Inclusive o filho mais velho de Dina, que mora no interior de São Paulo com o ex-marido dela, deu duas camisas e um relógio de presente a Alex no dia do seu aniversário.

 

Quanto à relação do casal, há relatos de violência doméstica registrados em boletins de ocorrência em novembro de 2008 e em março de 2009, e um de ameaça em março de 2013. Ainda assim, Dina nunca levou as denúncias até a esfera judicial. Recentemente a relação do casal era bastante tranquila, relatou a mãe de Alex, que contou à polícia que, quando a nora se mudou para Ferraz de Vasconcelos, o próprio Alex ajudou na mudança.

 

Apartamento já fez mais vítimas

 

Além de Dina e os quatro filhos, a polícia investiga a morte de Lucas Nascimento, de 23 anos, no dia 3 de junho. Lucas acabara de se mudar com sua mulher Viviane Nascimento, 20 anos, grávida de sete meses na época. Durante a noite, Viviane foi tomar banho, sentiu tontura e pediu ajuda ao marido, que a levou até a cama.

 

Ela acordou por volta das 3h, sentindo tontura e náuseas, quando percebeu que o marido, deitado ao lado, teria vomitado e já estava morto. Viviane, que foi socorrida pela mãe, também perdeu o bebê ainda na barriga. Após todos os indícios de que as mortes de Dina e dos quatro filhos teriam sido provocadas por ingestão de gás, a própria polícia deverá pedir o relaxamento da prisão de Alex.

Fonte: Redação/ R7

OUTRAS NOTÍCIAS