Governo exclui sociedade civil de conselho de políticas sobre drogas

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Presidente da República Jair Bolsonaro nos EUA (Foto: Marcos Corrêa/PR)

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) excluiu, por decreto publicado nesta segunda-feira (22), a participação de entidades da sociedade civil do Conad (Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas).

O Conad é um órgão vinculado ao Ministério da Justiça e Segurança Pública criado em 2006, que coordena ações de prevenção ao uso de drogas. O conselho era formado por funcionários de ministérios e por profissionais sem cargo no governo, representantes da sociedade civil.

No decreto publicado nesta segunda, no entanto, o organograma do conselho mudou.

Não há mais a exigência de participação de um jurista, um médico, um psicólogo, um assistente social, um enfermeiro, um educador, um cientista e um estudante (todos eles indicados pelos conselhos de suas áreas), além de um jornalista, um antropólogo, um artista e dois membros de ONGs “de manifesta sensibilidade na questão das drogas.”

A presidência continua a cargo do ministro da Justiça (Sergio Moro), como já era, e haverá participação prevista também do ministro da Cidadania (Osmar Terra).

O restante do conselho será formado por representantes das pastas da Defesa, Relações Exteriores, Economia, Saúde e da Mulher, Família e Direitos Humanos, do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, da Anvisa e de órgãos estaduais de políticas de drogas, além do secretário Nacional de Políticas de Drogas e do Secretário Nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas.

O assunto entrou no foco do governo federal neste ano. Em junho, o presidente sancionou lei que altera pontos do Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas, que, entre outras coisas, autoriza a internação involuntária de dependentes químicos.

Em abril, Bolsonaro já havia publicado, por meio de decreto uma nova Política Nacional sobre Drogas, que prioriza a abstinência sobre a redução de danos, em substituição a texto de 2002 do governo Fernando Henrique Cardoso.

O presidente já fez uma série de mudanças na composição de conselhos federais, como o Conselho Nacional do Meio Ambiente e o Conselho Superior de Cinema.

FolhaPress SNG

OUTRAS NOTÍCIAS