Tempo - Tutiempo.net

Greenwald: “Parceria da imprensa comercial com a Lava Jato é ideológica e comercial”

(Foto: REPRODUÇÃO/TVT)

O premiado jornalista Glenn Greenwald, editor-chefe do The Intercept Brasil, gravou nesta quarta-feira (27) sua participação no Entre Vistas, da TVT, que vai ao ar na quinta-feira (29), às 22h. “Profissional combativo”, como apresenta Juca Kfouri, mediador do programa semanal. Na pauta, diálogos sobre o escândalo que ficou conhecido como Vaza Jato, a parcialidade de parte do sistema de Justiça do Brasil, as influências norte-americanas na política nacional e o papel da mídia nesse processo, entre outros temas. Além de Juca, participam da edição as também jornalistas Vanessa Martina Silva e Eleonora de Lucena, da revista Diálogos do Sul e da Tutaméia TV, respectivamente.

Um dos pontos altos da entrevista foi a avaliação – dura e esclarecedora – sobre o papel da imprensa comercial no processo político dos últimos anos, com consequências como criminalização da política, antipolítica, ascensão da extrema-direita e  judicialização parcial dos processos envolvendo Executivo e Legislativo.

Glenn lembrou que, durante muito tempo, o jornalismo praticado pela mídia tradicional brasileira resumia-se a receber conteúdo vazado da Operação Lava Jato, o que se mostrou um modelo extremamente lucrativo. “No Jornal Nacional, o (William) Bonner (apresentador) apenas falava o que tinha recebido da força-tarefa, com uma audiência enorme, sem nenhum trabalho jornalístico. Atuavam como parceiros”. O jornalista conclui que, na prática que, além da ideologia política defendida e de escolher quem apoiar e quem derrubar, a parceria entre a grande imprensa e certos setores do Judiciário envolvem também um grande interesse comercial.

Moro, juiz bolsonarista

No programa, Glenn mostra ainda que a influência midiática em cima da Lava Jato resultou na criação de uma imagem que teve imenso alcance nacional, a de “super-herói”, papel que foi construído em torno do então juiz responsável pela Lava Jato em Curitiba, Sergio Moro, hoje ministro da Justiça e da Segurança Nacional de Jair Bolsonaro (PSL).

Agora, a Vaza Jato revela que Moro não atuou de forma ética nos processos. Perseguiu adversários, privilegiou “amigos do rei” e formou conluio com a investigação, entre outros problemas relatados pelo The Intercept, e veículos parceiros pontuais como a revista Veja, a Folha de S.Paulo, e o El País, entre outros.

Mesmo com o apontamento, a imagem de Moro parece ainda resistir, principalmente pois segue como ministro de Bolsonaro. Para Glenn, é uma questão de medir os tempos deste processo. “A imagem de Moro foi construída como herói sem desafios. Durante cinco anos, a mídia aplaudiu tudo do Moro. Mas mesmo a Veja, que fez isso, hoje é nossa parceira (…) Em dois meses é difícil abalar uma imagem construída em tanto tempo. Moro ainda é ministro, mas é uma figura mais fraca. As mudanças são sutis”, disse.

Rede Brasil  Atual

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS