Justiça Federal suspende atividades de empresa mineradora no Porto de Tubarão

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Mineradora proibida usar porto de tubarão

A Justiça Federal do Espírito Santo suspendeu temporariamente as atividades econômicas das empresas Vale e Arcelor Mittal em dois píeres do complexo portuário de Tubarão, em Vitória, que envolvem carvão e minério.

O juiz Marcus Vinicius Figueiredo, da 1ª Vara Federal Criminal, determinou a suspensão das atividades até que sejam adotadas medidas eficazes para evitar a emissão de poeira de carvão no ar e de pó de minério no mar.

Em nota, a Vale diz que recebeu com surpresa a notificação da Polícia Federal sobre a decisão da Justiça e informa que vai adotar todas as medidas judiciais cabíveis para garantir o reestabelecimento de suas atividades na região.

“Tal medida paralisa as atividades de exportação e importação da Vale no Espírito Santo, provocando grande impacto na economia do estado, com reflexos em Minas Gerais”, diz o texto.

Na decisão, o juiz afirma que a suspensão das atividades atende a inquérito policial que apura “supostos crimes ambientais cometidos pelas empresas que atuam no complexo portuário de Tubarão, alusivos à poluição e ao assoreamento da Praia de Camburi, decorrentes do lançamento de minério e carvão no mar, bem como aos danos causados à saúde humana em razão da emissão de gases poluentes e partículas”.

O juiz diz que viu fotografias e filmagem feitas pela Polícia Federal durante diligência e que o teor dos arquivos “impressiona”, devido ao volume de “material lançado livremente ao mar durante o carregamento de navio com minério de ferro, bem como durante o descarregamento de carvão, projetando poeira de carvão no ar de Vitória e pluma de carvão nas águas marítimas”.

A Polícia Federal informou que, na diligência, em novembro de 2015, foi registrado que, das esteiras usadas para o carregamento, caíam pedras e pó de minério no mar.

Na decisão, divulgada ontem (21), o juiz determina que, se as empresas não cumprirem a determinação, ficam sujeitas a multa diária equivalente a 2/30 do faturamento mensal de suas unidades.

A Polícia Federal no Espírito Santo informou que cumpriu o mandato judicial de interdição das atividades das empresas.

Em nota, a ArcelorMittal informa que não é operadora portuária dos terminais de minério e carvão do Porto de Tubarão, mas sim cliente dos serviços de descarregamento de carvão, feitos pela Vale.

Segundo a empresa, a paralisação não afeta de imediato suas atividades. A nota diz que tem o foco da empresa é direcionado para melhorar continuamente os controles ambientais, potencializando procedimentos e tecnologias.

Além de declarar que vai recorrer da decisão, a Vale registrou também que investe continuamente em seus sistemas de controle ambiental e cumprindo rigorosamente a legislação ambiental vigente.

Procurado pela repórter, o Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Espírito Santo informou que não vai se manifestar sobre o assunto.

Yara Aquino

OUTRAS NOTÍCIAS