Morre Domingos Fernandes, guerrilheiro da Ação Libertadora Nacional (ALN)

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
MORRE DOMINGOS FERNANDES

Domingos Fernandes, guerrilheiro da Ação Libertadora Nacional (ALN), faleceu nesta terça-feira (1), aos 75 anos. Expoente na luta armada contra a ditadura militar, Fernandes foi preso, torturado e exilado. Ao retornar ao país tornou-se um dos pioneiros do Partido Verde.

Nascido em 1945, o dirigente dedicou a vida à luta contra a repressão. Adotou Jorge como nome de guerra e era chamado carinhosamente como “Barba”. Informações iniciais de outros militantes da ALN afirmam que ele morreu em decorrência de um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Segundo o escritor Mário Magalhãoes, autor da biografia de Carlos Marighella, líder da ALN, Fernandes “foi um dos últimos companheiros a se encontrar com Marighella, um dia antes do assassinato do inimigo público número um da ditadura”.

O militante da ALN no Rio de Janeiro foi preso em 1969 e libertado no ano seguinte, integrando o grupo de 40 presos políticos trocados pelo embaixador alemão Ehrenfried von Holleben, sequestrado em 1970 pela organização.

Exiliou-se em diversos países como Argélia, Cuba, Itália, Chile, Argentina e Portugual, retornando ao país em 1979 com a Anistia.

Em entrevista ao Brasil de Fato em razão dos 50 anos da morte de Marighella, Domingos falou sobre a trajetória do guerrilheiro.

“Ele gostava de ser chamado de Preto. Primeiro, porque ele era preto mesmo e tinha orgulho da sua história. Depois, porque a gente geralmente não podia falar o nome das pessoas”, relatou.

Fernandes foi quem datilografou o Mini-Manual do Guerrilheiro Urbano, obra-prima de Marighella. “Esse livro foi a coisa mais bonita que ele [Marighella] escreveu”.

OUTRAS NOTÍCIAS