Morte de PMs: garoto teria ameaçado parente antes do crime

O estudante Marcelo Pesseghini, de 13 anos, suspeito de matar os pais PMs, a avó, a tia-avó e depois se suicidar, teria mudado de comportamento antes dos crimes, de acordo com os depoimentos ouvidos no inquérito. Duas semanas antes das mortes, na casa da família na Brasilândia, zona norte de São Paulo, Marcelo teria começado a apontar a arma do pai para parentes e tentado ir à escola vestindo uma touca.

 

Ele teria acesso à arma do pai, o sargento da Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar), Luís Marcelo Pesseghini, de 40 anos, que era casado com a cabo Andréia Regina Pesseghini, de 36 anos. Cinco crianças que estudavam com o garoto no Colégio Stella Rodrigues já foram à polícia. Segundo pessoas que acompanharam as investigações, Marcelo havia avisado da intenção de matar os pais.

 

Logo nos primeiros depoimentos, o garoto foi retratado como um filho exemplar e bom aluno. Mas, de acordo com policiais, os professores e pais de alunos não tinham conhecimento dos comentários que fazia no colégio. Segundo a investigação, os próprios pais de Marcelo poderiam não ter prestado atenção à mudança de comportamento do filho.

 

Na última quinta-feira (15), não foram prestados novos depoimentos. Para esta sexta-feira (16), a previsão do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa) é ouvir pelos menos mais duas pessoas: outro estudante da escola de Marcelo e o perueiro que levava o garoto esporadicamente para casa.

 

Na data do crime, ele voltou da escola de carona com o pai de um colega. A polícia pretende ouvir na terça-feira (20), a médica que acompanhava o tratamento de Marcelo para fibrose cística, uma doença degenerativa que o garoto havia conseguido controlar. Ela teria atendido o garoto desde quando ele tinha 1 ano.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Estadão

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS