Nos países orientais a velhice é um mérito no Brasil é um tormento

Uma tarde qualquer na segunda quinzena do mês de abril der 2014, estava conversando com alguns amigos no Dom Café do Shopping Boulevard, em Feira de Santana, quando foi abordado o preconceito sobre os idosos.

Comentamos sofre o sofrimento que é imposto ao ser humano idoso. Na maioria das vezes é indescritível o que imposto ao idoso em nosso país.

Essa discriminação, sofrimento e abandono são infligidos pela sociedade e de forma quase inacreditável pela própria família.

Seja conscientemente ou não, eles estão constantemente agredindo – impiedosamente – os seus idosos.

Em nosso município, especialmente, esse desrespeito pode ser visto nas ruas, nos lares, nas filas de bancos e instituições, nas escolas e até mesmo nas clínicas especializadas para cuidar de pessoas idosas.

Todos sabem que na Constituição Federal está escrito que o respeito é direito de todos e que somos iguais perante a Lei.

Vamos ressaltar que está escrito na Constituição, na prática não é o que acontece.

O idoso é peça descartável na engrenagem humana, em nosso país. Sua experiência não é reconhecida, as empresas não possuem oferta de emprego para pessoas mais velhas. Aos 45 anos de idade se perder o emprego, raramente consegue outro.

Trabalho acima de 50 anos é praticamente impossível. Se tiver a sorte de completar 60 é um desastre, passa a ser um estorvo, um embaraço, para a sociedade e para a família.

Já estão procurando a melhorar maneira de se ver livre do velho, que só atrapalha.

Um questionamento que foi feito durante os comentários: De que adianta aumentar o índice de vida do ser humano?

Hoje no Brasil afirmam que a nossa longevidade é de 75 anos. Para quê, se perdemos o reconhecimento da nossa capacidade produtiva a partir dos 50 anos. A partir dos 60 a precocupação é o que fazer com o idoso, vai precisar de cuidados especiais, quem fica com ele e assim por diante.

Ficou claro que os comentários eram voltados para a maioria dos idosos em nosso país, mesmo porque existe uma minoria que não passa por essas situações.

É necessário não nos distanciarmos dessa realidade, mesmo porque, nos dias atuais os idosos são a maior parte habitacional no país.

Em Feira de Santana a discriminação para com o idoso é constatada diariamente nas ruas, especialmente nos pontos de ônibus, o descaso de alguns motoristas que tiram, irresponsavelmente, o direito de o idoso utilizar o sistema de transporte coletivo.

A revolta e o descaso dos governantes em desenvolver políticas educacionais e de amparo ao idoso ficou evidenciada.

Nos países orientais, a velhice é um mérito. É algo que merece reverência, glorificação, respeito mútuo. Velhice é sinônimo de sabedoria.

Vivemos uma vida que proporciona retornos, tudo o que fazemos se reverte para nós mesmos. Um dia você também será idoso. Respeitar é saber viver em sociedade.   

Fonte: Carlos Lima

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS