O Supremo “faça o que tem que fazer”: “Esperamos que Cunha vá para Curitiba”.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Escritor Arrigo Barnabé

Bem que tentava, mas nem sempre Arrigo Barnabé conseguia assistir até o fim a uma sessão do Conselho de Ética pela televisão porque passava mal fisicamente, a sua pressão subia. “O Congresso é uma piada”, diz ele.

Nessa entrevista exclusiva ao 247, em seu apartamento térreo no Itaim Bibi, em São Paulo, o compositor de “Clara Crocodilo” e “O homem dos crocodilos” revelou toda a sua indignação com o desempenho dos deputados federais em 2015, mas também com os tucanos “que votaram coisas absurdas” e com o impeachment “que estão tentando inventar”.

Surpreendente foi, para ele, o comportamento de Renan Calheiros, leal à presidente, o que fez com que mudasse de opinião a seu respeito. Ele, que votou em Dilma, conta que sua mulher não fez o mesmo por suspeitar que ela, doente, poderia dar lugar a seu vice, Temer, de quem sua mulher tinha medo.

Arrigo também revela que um de seus hobbies, além de nadar, é montar presépios, o que não tem nada a ver com ser ou não ateu. “Eu não tenho nenhuma preocupação com Deus”, diz. Natural de Londrina, torce para que na volta do recesso, em fevereiro, o Supremo “faça o que tem que fazer”: “Esperamos que Cunha vá para Curitiba”.

Alex Solnik

OUTRAS NOTÍCIAS