PSDB quer desvincular partido de projeto sobre cura gay

Após o projeto conhecido como “cura gay” virar alvo dos protestos que tomam as ruas do país, o PSDB divulgou hoje uma nota se descolando do polêmico projeto, em tramitação na Câmara dos Deputados, que permite a psicólogos oferecer tratamento a homossexualidade. O documento afirma que a medida é um “retrocesso”. A proposta é de autoria do deputado tucano João Campos (GO) e foi aprovado na semana passada pela Comissão de Direitos Humanos da Câmara sob o comando do deputado Marco Feliciano (PSC-SP).
O receio dos tucanos é que a legenda seja responsabilizada pela proposta e isso seja explorado eleitoralmente. Nas últimas semanas, o projeto e a saída de Feliciano –que depende de renúncia dele– estão entre as principais reivindicações das manifestações que tomam as ruas de vários Estados. Segundo a nota, o PSDB “entende que a proposta, conhecida como “Cura Gay’, representa grave retrocesso nos avanços ocorridos no país para reconhecimento pleno dos direitos humanos”.
Os tucanos afirmam ainda que a medida contraria resoluções do Conselho Federal de Psicologia e da Organização Mundial de Saúde (OMS), que, desde 1999, rejeitam a classificação da homossexualidade como doença ou desordem psíquica. Na terça-feira, o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) vai reunir os líderes para decidir se o projeto será levado diretamente para votação em plenário, sem passar pelas comissões de Seguridade Social e Constituição e Justiça.
A ideia seria arquivar o projeto que divide religiosos e ativistas. A manobra pode esbarrar em líderes ligados às bancadas evangélicas. Feliciano procurou colegas pedindo para que o texto não seja discutido diretamente no plenário. Se houver entendimento, a proposta poderia ser votada na quarta-feira.

Fonte: Folhapress

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS