Rio: Mãe monta armadilha para prender homem que assediava sua filha

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Após pedir ajuda à polícia e nada ser feito, a mãe de uma menina de 12 anos que estava sendo vítima de assédio resolveu agir por conta própria. Temendo que a filha fosse abusada, ela mesma fez uma armadilha para encontrar o homem que telefonava diariamente para a menina.

 

Nas várias ligações recebidas em casa, o acusado perguntava se a garota estava de camisola, como eram suas partes íntimas e onde estavam seus pais. Com medo, a menina revelou para a mãe, que procurou ajuda policial, e não teve sucesso. “Procurei duas delegacias, e lá me falaram que era mais fácil eu trocar a minha linha telefônica, pois não podiam fazer nada porque ele não chegou a abusar dela. Então, fiquei em desespero”.

 

Foi a partir daí que a mãe resolveu tomar uma atitude: passou a atender os telefonemas fingindo ser a filha. “Fui entrando no jogo dele, conversando como se fosse ela. Quando ele falou para mim que tinha namorado uma de 10 e uma de 14, eu pensei: ‘ah, ele quer fazer a minha filha a próxima vítima’. Ele voltou a ligar e marcou um encontro e nós fomos. Quando ele chegou próximo a ela, segurou… ela perguntou: ‘é o Bruno, você?’ Ele se identificou como Bruno. Ele foi segurar o braço dela e eu falei: você solta a minha filha, porque agora eu vou chamar a polícia”, contou a mãe.

 

O homem foi agredido por pessoas que estavam no local. Ele foi identificado como Luiz Felipe de Menezes, de 57 anos, e acabou preso. O pai da menina criticou a falta de atitude dos policiais das duas delegacias, onde a família fez as denúncias. “Acho que isso foi um descaso absurdo. A gente não sabe… Então, a gente vai pedir ajuda a quem?”, questionou.

 

Em nota, a Polícia Civil diz que todos os agentes, mesmo nas delegacias não especializadas, têm obrigação de fazer o registro de ocorrência. E quando não houver crime devem direcionar o cidadão ao órgão competente. De acordo com a nota, o atendimento dos policiais procurados pelos pais da criança não estava de acordo com as diretrizes da instituição.

 

Fonte: Redação/ G1

OUTRAS NOTÍCIAS