STF AUTORIZA DEVASSA FISCAL NA FAMÍLIA CUNHA

Sigilo fiscal quebrado

O ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, autorizou a quebra dos sigilos bancário e fiscal do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de sua mulher, Cláudia Cruz, de sua filha, Danielle Dytz da Cunha. Outras três empresas ligadas à família também foram atingidas pela medida.

O período de análise será de 2005 a 2014. Eles são investigados por manter contas secretas no exterior que teriam sido abastecidas com propina de negócios da Petrobras na África.

A Receita Federal identificou um patrimônio injustificado da família de Cunha que totaliza R$1,8 milhã.

Com a quebra do sigilo fiscal, os investigadores querem obter detalhes da movimentação financeira do presidente da Câmara e do possível uso irregular de suas empresas na área de comunicação, além de avaliar a relação do deputado com pessoas próximas, como o corretor de imóveis Lúcio Funaro.

Entre os alvos da quebra do sigilo estão as empresas. Jesus.com, C3 Produções e Rádio Satélite. Investigadores suspeitam que contas mantidas em um banco na Suíça tenham repassado dinheiro para uma dessas empresas.

Aguirre Tolento

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS