Boko Haram propõe trocar meninas nigerianas sequestradas por prisioneiros

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

O grupo islamista Boko Haram divulgou nesta segunda-feira um novo vídeo no qual afirma mostrar as estudantes nigerianas sequestradas em abril, alega que as jovens foram convertidas ao islã e que as vítimas serão libertadas apenas no caso de uma troca com islamitas detidos.

 

O líder do Boko Haram, Abubakar Shekau, fala durante 17 minutos em um vídeo obtido pela AFP, que mostra em seguida quase 130 adolescentes vestindo hijabs que cobrem todo o corpo, rezando ao ar livre em um local não identificado.

 

No total, 276 adolescentes foram sequestradas em 14 de abril em Chibok, no estado de Borno (nordeste da Nigéria), que tem uma importante comunidade cristã. Segundo as informações mais recentes, 223 jovens continuam desaparecidas.

 

O vídeo mostra quase 130 adolescentes vestidas com longos véus pretos e cinzas, que permitem observar seus rostos, sentadas no chão a céu aberto, cercadas por árvores e recitando o primeiro capítulo do Alcorão.

 

Em nenhum momento do vídeo, que tem duração total de 27 minutos, Shekau aparece ao lado das estudantes do ensino secundário, que parecem tristes e resignadas, mas não aterrorizadas.

 

Duas adolescentes afirmam que eram cristãs e se converteram ao islã, enquanto uma terceira declara que já era muçulmana. Uma jovem diz que as reféns não são maltratadas. Não há nada que permita descobrir onde o vídeo foi filmado. A qualidade das imagens é muito melhor que a dos vídeos divulgados anteriormente pelo grupo islamista.

 

Em um determinado momento, um homem armado aparece no local, com uma câmera de vídeo na mão.

 

Durante o discurso, Abubakar Shekau aparece diante de um fundo verde com um uniforme militar e uma arma automática.

 

O líder do Boko Haram, que fala primeiro em árabe e depois em hausa, a língua mais utilizada na região norte da Nigéria, reivindica mais uma vez o sequestro em massa de Chibok, o que já havia feito em um vídeo divulgado na segunda-feira da semana passada, e afirma que converteu as reféns ao islã.

Fonte: Redação Cl Jornal/ R7/ Foto: web

OUTRAS NOTÍCIAS