Chile derrotou Pinochet e Bolsonaro

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Chile diz não a Constituição de Pinochet

Admirador de Trump, seguidor da máxima de que “o que é bom para os Estados Unidos é bom para o Brasil”, o presidente Jair Bolsonaro gastou muita retórica e algum esforço para derrubar o regime de Nicolás Maduro, na Venezuela. Não conseguiu.

Meteu-se na eleição presidencial da Bolívia na tentativa de evitar uma possível vitória do candidato da esquerda apoiado pelo ex-presidente Evo Morales, exilado em Buenos Aires. Perdeu.

O presidente argentino Alberto Fernández ganhou.

Só faltava agora o Chile, depois dos conflitos de rua que incendiaram o país e desgastaram o governo conservador de Sebastián Piñera, aprovar em plebiscito a convocação de uma Assembleia Nacional para mudar a Constituição. Não falta mais.

Com 99,69% dos votos apurados, o resultado do plebiscito foi a vitória do “aprovo” a nova Constituição por 78,2% contra 21,7% do “rejeito”.

A Constituição atual é da época da ditadura do general Augusto Pinochet, aliado da ditadura militar brasileira de 64.

A vida para Bolsonaro não está fácil lá fora e poderá ficar pior se Trump for derrotado no próximo dia 3.

A Amazônia pode pegar fogo à vontade que Trump não liga.

Mas se Joe Biden, candidato do Partido Democrata, vencer, Bolsonaro vai ver só.

Reuters

OUTRAS NOTÍCIAS