Tempo - Tutiempo.net

Conflito interminável na Ucrânia prejudica segurança global e a dos EUA

Rússia se mantém fortalecida na Ucrânia

O conflito militar indireto dos EUA com a Rússia provoca as consequências mais graves não só para o povo ucraniano, mas também para a segurança dos Estados Unidos e dos seus aliados, escreve a jornalista Katrina Vanden Heuvel em um artigo de opinião para The Washington Post.

“A economia global ainda estava devastada pela pandemia de coronavírus, o conflito na Ucrânia e as sanções impostas à Rússia só agravam a turbulência global”, aponta colunista.
]

Heuvel ressalta que, no ano passado, a Rússia foi o maior exportador mundial de gás natural, o segundo maior exportador de petróleo bruto, e o terceiro maior exportador de carvão.

O país é lider mundial no enriquecimento de urânio para usinas nucleares. Não é de surpreender que, desde o início da operação militar, o preço do combustível tenha aumentado.

As restrições impostas a Moscou fizeram aumentar os preços de uma série de commodities.

“Nosso aliados na Europa são atingidos de forma particularmente dura. Entretanto, os cidadãos dos EUA sofrem com o aumento dos preços nos mercados globais de aço, alumínio, baterias para carros, chips de computadores e muito mais”, observa ela.

Além disso, a Rússia e a Ucrânia juntas fornecem 30% e 20% do suprimento mundial de trigo e milho respetivamente.

Muitos países da América Latina já enfrentam escassez de fertilizantes, como a agricultura brasileira em risco particular. Ainda por cima, 14 países africanos dependem do fornecimento de trigo da Rússia e a da Ucrânia.

De acordo com Heuvel, é do interesse dos EUA ajudar a contribuir para a resolução da situação atual e avançar para problemas mais graves, em vez de anunciar uma nova assistência militar à Ucrânia no valor de US$ 33 bilhões (R$ 169,5 bilhões).

Panorama internacional
Sanções contra a Rússia provocam em grande parte a crise econômica mundial, diz Putin

“Qualquer acordo exigiria sem dúvida a retirada das forças russas, provavelmente em troca da neutralidade da Ucrânia, o reconhecimento do controle da Crimeia por parte da Rússia e algum tipo de estatuto federado [das repúblicas populares de Donetsk e Lugansk].

E as sanções teriam, sem dúvida, de ser canceladas”, opina a colunista em seu artigo.

Os Estados Unidos e seus aliados devem demonstrar de maneira clara à Ucrânia, Rússia, China e à Índia que eles apoiam um acordo que preserve a soberania ucraniana e conduza a um fim rápido do conflito. Isso corresponde aos verdadeiros interesses de segurança dos EUA, conclui a jornalista.

SPUTNIK

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS