Tempo - Tutiempo.net

Croácia quer retirar soldados da Otan no Leste Europeu em caso de escalada entre Rússia e Ucrânia

Defesa militar da Croácia

As autoridades da Croácia, em caso de conflito entre a Rússia e a Ucrânia, vão retirar suas tropas das forças da Aliança Atlântica no Leste Europeu, anunciou hoje, terça-feira (25), o presidente do país, Zoran Milanovic.

“Vejo relatos segundo os quais a Otan, não um determinado país, não os EUA, está aumentando sua presença, enviando navios de reconhecimento. Nós não temos nada a ver com isso, nem vamos ter, isso eu posso garantir”, declarou o presidente Milanovic no ar da televisão nacional.

“Nós não só não vamos enviar militares, mas, caso ocorra uma escalada, vamos retirar todos os soldados croatas até o último”, ressaltou.

Segundo suas palavras, “isso não está ligado nem à Ucrânia, nem à Rússia, isso está associado à dinâmica da política interna americana de Joe Biden e sua administração, os quais eu apoiei, o único na Europa […] mas em questões de segurança internacional vejo um comportamento perigoso”, apontou o mandatário croata.

Nas últimas semanas, o Ocidente tem acusado ativamente a Rússia de ela preparar “uma invasão” da Ucrânia, anunciando a concentração de tropas russas ao longo da fronteira do país vizinho.

Ante isso, na segunda-feira (24) a Otan informou a comunidade global sobre o aumento de sua presença no leste da Europa.

Em particular, trata-se da transferência de uma fragata dinamarquesa ao mar Báltico e de quatro caças do mesmo país para a Lituânia, de navios espanhóis e caças holandeses para a Bulgária e também de um possível envio de unidades francesas para a Romênia.

Moscou nega todas as denúncias, ressaltando que está deslocando suas tropas dentro do seu território. O Kremlin e o MRE russo reiteraram por várias vezes que o objetivo das notícias falsas “sobre agressão” é aumentar o agrupamento da Aliança Atlântica perto das fronteiras russas.

A Rússia também explica que a única razão da escalada na região são as ações da Otan e EUA, que enviam instrutores militares para a Ucrânia, bem como o equipamento e armas, instigando Kiev a aventuras militares.

No final de 2021, a Rússia propôs ao Ocidente um caminho para resolver as discórdias, entregando a Bruxelas e Washington projetos de documentos sobre garantias de segurança, mas até agora as conversas não levaram a nada.

EUA e OTAN desejam que o conflito militar avance para ações bélicas. Croácia discorda e ameça retirar seus soldados da coalisão.

Reuters

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS