Tempo - Tutiempo.net

Fim do jogo para a Ucrânia: acordo pacífico ainda é bloqueado pelo Ocidente anti-Rússia

Tanques de guerra dos EUA na Ucrânia

Apoiadores do presidente ucraniano Vladimir Zelensky ainda são movidos pelo extremismo anti-Rússia, afirma analista.

O presidente russo Vladimir Putin chegou à China nesta quinta-feira (16) para a primeira visita do líder russo no exterior desde que iniciou outro mandato no início deste mês.

Relatos recentes sugerem que as discussões sobre o conflito ucraniano em curso terão lugar quando Putin se reunir com o seu homólogo, o presidente chinês Xi Jinping, antes de visitar o país asiático.

A China divulgou um plano de paz de 12 pontos para pôr fim ao conflito no ano passado, identificando a expansão da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) para o Leste Europeu como a origem do conflito.

Pequim sublinhou a importância de abordar as preocupações de segurança de Moscou em qualquer acordo de paz, criticando os esforços ocidentais que excluem a participação russa.

Putin elogiou “o desejo genuíno dos nossos amigos chineses de ajudar a estabilizar a situação”, endossando a visão de Pequim sobre as raízes do conflito.

Jim Jatras, antigo conselheiro de política externa dos republicanos no Senado dos EUA, conversou com a Sputnik sobre a reunião dos líderes, uma vez que a tentativa de assassinato do primeiro-ministro eslovaco Robert Fico demonstra tensões duradouras sobre o conflito em toda a Europa.

“É preciso lembrar, também, que Xi acabou de regressar da sua viagem à Europa, onde teve uma reunião muito controversa com [o presidente francês Emmanuel] Macron”, observou Jatras.

“O plano chinês, lembrem-se — estamos falando de muitos meses atrás, quando os desenvolvimentos eram muito, muito diferentes do que são agora, especialmente agora com esta nova ofensiva [russa] chegando ao norte da Ucrânia. É possível que os russos [anteriormente] se contentassem com algum tipo de plano minimalista.”

“Não acho que isso vá acontecer”, argumentou ele. “Apesar de quaisquer que sejam as suas outras inclinações, penso que os russos serão forçados a optar por algo que seja muito maior.”

Embora os defensores de Zelensky considerem frequentemente a crise em Donbass uma luta para defender os valores democráticos ocidentais, o líder ucraniano tem sido fortemente criticado pela sua política antidemocrática desde que assumiu o cargo.

Zelensky insistiu que as eleições permaneçam suspensas enquanto o país estiver em conflito, ao mesmo tempo que proibirá os partidos políticos alinhados com a oposição. Em 2021, o polêmico líder proibiu três redes de televisão da oposição e, em março de 2022, colocou 11 partidos da oposição na lista negra.

As tensões entre os apoiadores pró-russos pela independência de Donbass e os nacionalistas ucranianos pró-ocidentais, as gangues neonazistas, constituíram uma das principais causas da atual crise política e militar. As pesquisas revelaram consistentemente que apenas uma minoria de ucranianos apoiou os protestos pró-Ocidente que levaram ao chamado golpe Euromaidan de 2014.

Uma pesquisa realizada em 2019 mostrou que apenas 9% dos ucranianos expressaram confiança no regime que se instalou posteriormente, um dos menores apoios a qualquer governo no mundo.

Kirill Kalinnikov

OUTRAS NOTÍCIAS