Tempo - Tutiempo.net

Kiev é controlada por Washington e aliados e empurrada para continuar ações de combate

Rússia a um passo de usar armas nucleares táticas

A Rússia continuará as negociações com a Ucrânia insistindo em sua versão do projeto de acordo, relatou na quinta-feira (7) Sergei Lavrov, ministro das Relações Exteriores russo.

“Apesar de todas as provocações, a delegação russa continuará o processo de negociação promovendo nosso projeto de acordo, que tem todas as nossas posições e exigências fundamentais iniciais de forma clara e completa”, comentou Lavrov.

O chanceler russo disse que o projeto de acordo apresentado na quarta-feira (6) pela Ucrânia difere do que foi proposto em Istambul.

“Ontem [6] o lado ucraniano apresentou ao grupo de negociações seu projeto de acordo, que mostra claramente um afastamento das disposições mais importantes da reunião de Istambul em 29 de março”, apontou ele.

Além disso, nessa reunião a Ucrânia se comprometeu que as garantias de segurança não abrangeriam a Crimeia, mas agora esse ponto está ausente, referiu o chanceler da Rússia.

“Lembro que naquele documento de Istambul os ucranianos explicaram claramente que as futuras garantias de segurança da Ucrânia não se aplicam à Crimeia e a Sevastopol. Já no projeto de ontem essa constatação clara está ausente”, contou Sergei Lavrov.

O ministro acrescentou que em vez dela surge “uma formulação vaga sobre algum tipo de controle efetivo como existia em 23 de fevereiro”.

Além disso, sublinhou ele, está presente a ideia de trazer os problemas da Crimeia e de Donbass para uma reunião entre Vladimir Putin e Vladimir Zelensky, presidentes da Rússia e da Ucrânia, respetivamente.

Lavrov mencionou ainda que a Ucrânia alterou a disposição sobre a realização de exercícios militares, retirando a necessidade de consultar a Rússia.

Assim, no documento de Istambul, no contexto de uma Ucrânia neutra e sem arsenal nuclear, a participação do país de manobras militares com participação de contingentes estrangeiros só pode ocorrer com a unanimidade de todos os países garantes da segurança ucraniana, incluindo a Rússia.

Tudo isso aponta para uma estratégia de Kiev de mais e mais exigências, conclui o alto responsável russo.

“Provavelmente na próxima etapa o lado ucraniano pedirá retirar as forças [russas] e amontoará mais e mais condições prévias.

Esta trama é compreensível, mas é inaceitável”, resumiu o ministro das Relações Exteriores da Rússia. Sputnik

Segundo informações a Ucrânia twnta ganhar tempo, trabalha com ocidente para destruir a imagem militar e política da Rússia, na tentativa de forçar uma retirada das tropas russas, se fortalecer com apoio mais preciso da OTAN  e o seu envolvimento na guerra.

Moscou já identificou essa estratégia e o termpo das negociuações mais diretas tem prazo. Nada acontcendo nas negociações, o Kremlin  vai empregar  o seu verdadeiro poder de fogo e finalizar a operação.

Com isto a previsão de ampliação do conflito pode acontecer, tudo já estrategicamente  e logisticamente previsto pelo alto comando russo.

EUA e OTAN estão apostando alto e custo pode ser bem maior do que o esperado. (cljornal)

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS