Tempo - Tutiempo.net

Macron responde à proposta de Putin sobre moratória de mísseis de curto e médio alcance

O Tratado teve papel relevante na segurança europeia, uma vez que evitou a instalação de mísseis de curto e médio alcance no continente. Analistas temem que, com o fim do tratado, possa ser desencadeada uma nova corrida armamentista.

O presidente da França, Emmanuel Macron, respondeu à proposta feita por seu homólogo russo sobre uma moratória à instalação de mísseis de curto e médio alcance na Europa, confirmou o Kremlin. Isso não significa, no entanto, que a França tenha acatado a ideia, reiterou o Palácio do Eliseu.

No fim de setembro, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, anunciou que Putin enviou uma proposta relacionada aos mísseis de curto e médio alcance “aos principais líderes da Europa e Ásia”.

A OTAN confirmou o recebimento da proposta, mas anunciou que não a considerava digna de confiança.

De acordo com o jornal alemão Frankfurter Allgemeigne, Macron teria respondido à correspondência de Putin no dia 23 de outubro, afirmando que a proposta merece análise cuidadosa e deve ser discutida não só no âmbito bilateral, mas também multilateral.

O Kremlin confirmou ter recebido resposta francesa sobre a proposta de moratória. Nesta quinta-feira (28), durante coletiva de imprensa conjunta com o secretário-geral da OTAN, Jen Stoltenberg, Macron reiterou, no entanto, que isso não implica que a França tenha acatado a ideia.

“Nós não aceitamos a moratória proposta pela Rússia […] mas a aceitamos como uma base para o diálogo”, declarou Macron.

Anteriormente, o líder francês havia declarado à revista The Economist que a “OTAN perdeu totalmente a capacidade de coordenação interna, o que pode ser caracterizado como ‘morte cerebral'”. Hoje, ao lado de Stoltenberg, afirmou a relevância da aliança.

“A pergunta estratégica que vamos debater agora [na OTAN] é -contra quem? Quem é o nosso inimigo? Há quem diga que seja a Rússia e a China. Eu não acho. Nosso inimigo comum é o terrorismo”, declarou.

Em 2 de agosto, o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário, conhecido como Tratado INF, assinado pelos EUA e União Soviética em 1987, deixou de estar em vigor após os Estados Unidos se retirarem unilateralmente do pacto.

O Tratado teve papel relevante na segurança europeia, uma vez que evitou a instalação de mísseis de curto e médio alcance no continente. Analistas temem que, com o fim do tratado, possa ser desencadeada uma nova corrida armamentista.

Sputnik

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS