May tenta aprovar acordo do Brexit pela terceira vez.

Premiê britânica, Theresa May Foto: Frederick FLORIN / AFP

Os deputados britânicos votam pela terceira vez nesta sexta-feira, dia em que o Reino Unido deveria sair da União Europeia, sobre o acordo Brexit negociado pela primeira-ministra Theresa May, que colocou seu cargo em jogo para obter apoio dos parlamentares.

“Hoje é 29 de março. Hoje foi o dia em que esta Câmara votou há alguns anos que deveríamos deixar a União Europeia, e ainda hoje estamos onde estamos”, disse o procurador-geral, Geoffrey Cox, na abertura de cinco horas de debates.

O tempo é curto: depois de aceitar um curto adiamento na data de partida, a UE advertiu que se Londres não adotar o acordo esta semana, não poderá se beneficiar da prorrogação até 22 de maio e deve apresentar um plano alternativo antes de 12 de abril.

“Portanto, esta é a última oportunidade de tirar proveito de nossos direitos legais”, disse Cox, conclamando os legisladores, que já rejeitaram o acordo em voz alta duas vezes, a dar um passo histórico para o país, encerrando 46 anos de adesão ao bloco europeu.

O presidente da Câmara dos Comuns, John Bercow, aprovou na quinta-feira que os deputados votassem de novo o acordo de divórcio.

“A moção é nova, substancialmente diferente”, disse Bercow ao Parlamento, depois que o governo de Theresa May propôs debater apenas o Acordo de Saída assinado com Bruxelas, e não a declaração política sobre o futuro relacionamento entre as duas partes que normalmente o acompanha.

Para ter esperanças de que o texto seja aprovado, May precisa convencer pelo menos 75 de seus próprios legisladores rebeldes. Muitos deles pediram que a premiê deixe o governo e a negociação com Bruxelas.

Na quarta-feira, apostando sua última carta, May prometeu renunciar assim que o país deixar a UE.

A estratégia conseguiu convencer alguns dos críticos mais ferozes do acordo, confrontados agora à possibilidade de que o país, mergulhado no caos político pela incapacidade de chegar a uma conclusão, termine negociando um Brexit mais suave, ou convocando um segundo referendo.

Entre eles, o ex-ministro das Relações Exteriores Boris Johnson, que renunciou em 2018 por sua oposição à maneira como May conduzia as negociações com a UE e que, desde então, tornou-se um de seus principais rivais.

May ainda precisa convencer especialmente o partido unionista norte-irlandês do DUP, de cujos dez deputados depende sua maioria parlamentar.

O DUP considera inaceitável o chamado “bacsktop” irlandês, o ponto mais controverso do acordo, um mecanismo de último recurso para impedir a restauração de uma fronteira dura na ilha da Irlanda que colocaria em risco o frágil acordo de paz de 1998.

O partido anunciou na quarta-feira que rejeitaria mais uma vez o texto.

O acordo, com o qual May espera encerrar 46 anos de integração britânica na UE, é um calhamaço de 585 páginas, 185 artigos e 3 protocolos.

Inclui, entre outras questões, os direitos dos cidadãos europeus no Reino Unido e vice-versa, a conta de 39 bilhões de libras que Londres deve pagar e o polêmico “backstop”.

Prevê também um período de transição, até o final de 2020, mas que poderá ser prorrogado por um período máximo de dois anos, para que as empresas e os governos tenham tempo para fazer as adaptações necessárias.

Esse período será necessário também para que Londres e Bruxelas possam negociar os termos de sua futura relação nas áreas de comércio, política externa, ou cooperação policial.

AFP

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS