Mergulhador americano morre ao tentar bater recorde

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

 

Enquanto Nicholas Mevoli, 32, flutuava de bruços no mar azul, tentando relaxar, suas expirações eram audíveis. A contagem regressiva tinha começado e ele se preparava para mergulhar em Dean’s Blue Hole, na esperança de atingir 72 metros com uma única aspiração, sem nadadeiras ou oxigênio complementar. Ele começou a sorver o ar, tentando acumular o máximo possível de oxigênio em seus pulmões.

Às 12h25 da tarde de domingo (17), cercado por 15 outros atletas e observadores, assim como cinco mergulhadores de segurança, ele se virou e submergiu, primeiro o rosto, parecendo uma flecha humana disparada na escuridão daquele que seria o último mergulho de sua vida.

Os responsáveis pelo Vertical Blue, um campeonato de mergulho livre ou em apneia, monitoravam e anunciavam o progresso de Mevoli por sonar, e tudo prosseguia bem, até que ele teve problemas a 68 metros e parecia que voltaria. Mas, em vez de voltar à superfície, ele decidiu mergulhar de novo em uma tentativa de atingir sua meta, seu segundo recorde americano. Alguns de seus colegas atletas ficaram apreensivos, reconhecendo que a decisão dele era perigosa.
Ainda assim, Mevoli voltou à superfície por conta própria, após um mergulho de 3 minutos e 38 segundos. Foi quando o cenário se tornou de pesadelo.

Mevoli tirou seus óculos, fez um sinal de OK e tentou completar o protocolo de superfície que tornaria sua tentativa oficial, ao dizer “Eu estou bem”. Mas ele não estava. Suas palavras saíram truncadas, seus olhos estavam arregalados e vazios. Ele se inclinou para trás para o oceano e perdeu a consciência. Cinco mergulhadores de segurança, um deles um paramédico australiano certificado em técnicas de suporte à vida, o ergueram até uma plataforma próxima onde a médica do evento, Barbara Jeschke, da Alemanha, tentou reanimá-lo.

Inicialmente havia pulso, apesar de às vezes fraco, às vezes forte. Após 15 minutos, não havia nenhum. A equipe cortou seu traje de mergulho e iniciou a reanimação cardiorrespiratória. As tentativas de ressuscitar Mevoli, que incluíram três injeções de adrenalina no local, prosseguiram sem sucesso por 90 minutos.

Ao ser levado para uma clínica constatou-se que o atleta apresentava um edema pulmonar, segundo uma fonte no local, e 800 centímetros cúbicos de fluido foram retirados de seus pulmões.

Por volta das 13h44, ele morreu. Segundo a Associação Internacional para o Desenvolvimento da Apneia, a entidade que rege o esporte, ele é o primeiro atleta a morrer em uma competição internacional em seus 21 anos de história.

Fonte: Redação / Uol

OUTRAS NOTÍCIAS