Tempo - Tutiempo.net

Proposta russa de resolução do conflito ucraniano pode mudar segundo situação no terreno

Putin no Vietnã

O presidente russo, Vladimir Putin, disse, nesta quinta-feira (20), que o local de discussão para uma saída negociada para o conflito ucraniano não é o mais importante, uma vez que a “proposta russa está na mesa”.

Nesta quinta-feira, falando a jornalistas em coletiva de imprensa durante sua visita ao Vietnã, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, falou mais uma vez sobre a disposição de Moscou para uma saída negociada do conflito ucraniano.

De acordo com o líder russo, o lugar onde as negociações vão acontecer não importa, já que as propostas da Rússia estão sobre a mesa. Entretanto, apesar da prontidão russa, a reação do Ocidente às suas iniciativas de paz era esperada. Para ele, entretanto, os políticos sensatos vão refletir sobre elas se quiserem acabar com o conflito.

Na opinião do presidente russo, o niilismo em relação às propostas de paz de Moscou não durará para sempre. No entanto, ele alertou que as propostas russas para resolver o conflito na Ucrânia mudarão dependendo da situação no terreno.

A Rússia nunca se recusou a negociar com a Ucrânia e está pronta para continuar o diálogo com o lado ucraniano com base nos acordos de Istambul e Minsk, acrescentou Putin.

Putin lembrou, por exemplo, que no início da crise, Kiev agrediu as Repúblicas Populares de Lugansk (RPL) e Donetsk (RPD) mesmo “antes de estas se tornarem parte da Federação da Rússia”, o que faz com que sua visão sobre a disposição ucraniana para o diálogo com a Rússia seja vista com ceticismo.

Kiev nem mesmo manifestou interesse em realizar eleições o que é um sinal de manutenção da situação atual. Putin garantiu ainda que se Kiev tentar vincular a realização de negociações com Moscou à retirada das tropas russas da zona de conflito, isso nunca acontecerá.

“No Ocidente, eles simplesmente não querem substituí-lo [Vladimir Zelensky], o momento não é correto. Acho que é óbvio para qualquer um. Eles vão culpá-lo por todas as decisões impopulares, incluindo a redução da idade de recrutamento [militar], e é isso. Então eles irão substituí-lo. Acho que isso acontecerá em algum momento no primeiro semestre do próximo ano”, disse o presidente russo.

Putin reiterou que, em resposta às entregas de armas à Ucrânia, a Rússia não descarta responder com ações semelhantes “para que o Ocidente pense onde irá parar a seguir” e afirmou que a Rússia está inclusive considerando fazer alterações em sua doutrina nuclear.

“Agora também estamos pensando no que e como poderia ser mudado na doutrina nuclear, na estratégia. E está conectado com isso. Está relacionado com o fato de existirem novos — em qualquer caso, sabemos que o provável inimigo está trabalhando nisso — novos elementos relacionados com a redução do limite para o uso de armas nucleares”, disse Putin aos jornalistas.

Putin acrescentou saber que estão sendo desenvolvidos dispositivos nucleares explosivos de potência ultrabaixa por especialistas no Ocidente, mas que este dado não é assustador o suficiente para motivar uma mudança na doutrina “que preveja a possibilidade de um ataque nuclear preventivo, porque o inimigo será destruído em um ataque retaliatório”, explicou ele dizendo afirmando que estes desenvolvimentos estão sendo acompanhados com atenção.

Ao comentar sobre a postura mais rude de países como os EUA e seus aliados na crise ucraniana, ou na esfera da política internacional que orienta Moscou e suas relações com os demais Estados no panorama internacional, o líder russo ressaltou que a pressão desses países só prejudica seus objetivos estratégicos.

“Quanto à pressão de Washington e de outros países ocidentais, sim, funciona em alguns [países], em outros nem tanto, mas em qualquer caso […] a grosseria com que as autoridades norte-americanas [atuam] nem sempre funcionam a seu favor.

E em termos estratégicos, só é prejudicial, porque ninguém gosta deste esnobismo e ninguém jamais os perdoará, mesmo na perspectiva histórica de médio prazo”, disse Putin aos repórteres.

Ainda segundo o líder russo, as tentativas de expulsar os soldados russos da região de Carcóvia vão levar a mais baixas entre os militares ucranianos. Segundo Putin, o Ocidente está sempre a aumentar as tensões e espera que a Rússia tenha medo “em algum momento”.

“Sabemos que principalmente os norte-americanos e os europeus estão pressionando os ucranianos para que empurrem as nossas unidades para a fronteira do estado a qualquer custo.

Repito, a qualquer custo, quero enfatizar isto, e eles planejam apresentar isto como um grande sucesso em 2024, em conexão com a cúpula da OTAN pendente e depois com as eleições nos EUA”, disse Putin aos jornalistas, acrescentando que as Forças Armadas ucranianas “pagarão um preço muito elevado” por este comando “a qualquer custo” do Ocidente.

Sputnik

OUTRAS NOTÍCIAS