Tempo - Tutiempo.net

Repórter fotográfico é morto quando fazia a cobertura de confronto no Afeganistão

Danish Siddiqui, repórter fotográfico morto enquanto cobria confronto no Afeganistão

O repórter fotográfico indiano Danish Siddiqui, que trabalhava para a agência Reuters, morreu enquanto fazia a cobertura jornalística de um confronto entre forças de segurança do Afeganistão e o Taleban, na sexta-feira (16), perto da fronteira com o Paquistão.

No momento em que foi morto, Siddiqui trabalhava ao lado de um militar afegão num confronto pelo controle do principal mercado da cidade de Spin Boldak.

Segundo o exército afegão, os dois foram pegos no meio de um fogo cruzado dos talibãs.

O repórter fotográfico chegou a informar à agência que tinha sido ferido no braço, mas que o Taleban havia batido em retirada.

Posteriormente, porém, os jihadistas retomaram o embate no momento em que Siddiqui conversava com pessoas no mercado.

Desde o início da última semana, Siddiqui trabalhava na cobertura do combate ao Taleban pelas forças de segurança nacionais, que tem perdido a batalha contra os jihadistas desde a retirada das tropas dos EUA.

“Danish foi um excelente jornalista, um marido e pai dedicado e um colega muito querido. Nossos pensamentos estão com sua família neste momento terrível”, diz um comunicado assinado pelo presidente da Reuters, Michael Friedenberg, e pela editora-chefe Alessandra Galloni.

O porta-voz do Taleban, Zabihullah Mujahid, disse que o grupo jihadista não sabia que havia um jornalista na região do confronto.

Prêmio Pulitzer
Siddiqui fez parte da equipe de fotografia da Reuters que ganhou o Prêmio Pulitzer de Fotografia de 2018 por documentar a crise dos refugiados rohingya em Mianmar.

Ele trabalhava na Reuters desde 2010 e cobriu, ainda, eventos como as guerras no Afeganistão e no Iraque, os protestos de Hong Kong e os terremotos no Nepal.

Entre 2018 e 2021, 33 jornalistas foram mortos no Afeganistão, de acordo com relatório publicado pela ONU (a Organização das Nações Unidas) neste ano.

O dia mais mortal para jornalistas no país foi 30 de abril de 2018, quando nove profissionais morreram em um ataque suicida em Cabul, e um jornalista da BBC foi baleado na cidade de Khost, no leste do país.

Com informaçõeas da Reuters

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS