Rússia decide retirar acusação de pirataria contra ativistas do Greenpeace

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

A agência de notícias Itar-tass informou nesta quarta-feira (23) que a Rússia retirou as acusações de pirataria contra 30 pessoas envolvidas em um protesto do Greenpeace contra a exploração de petróleo no Ártico, as substituindo por acusações mais leves.

A Rússia retirou as acusações de pirataria contra 30 pessoas envolvidas em um protesto do Greenpeace contra a exploração de petróleo no Ártico, as substituindo por acusações mais leves, informou a agência de notícias Itar-tass nesta quarta-feira, citando investigadores federais.

O porta-voz do Comitê Investigativo, Vladimir Markin, disse que as acusações contra os ativistas que fizeram o protesto em uma plataforma de petróleo há pouco mais de um mês foram substituídas de pirataria, que tem pena máxima de 15 anos de prisão, para vandalismo, que tem pena menor, segundo a Itar-Tass.

A brasileira Ana Paula Maciel, bióloga ativista do Greenpeace está entre os 30 ativistas detidos na Rússia por participação no protesto.

Fonte: Redação

OUTRAS NOTÍCIAS