Tempo - Tutiempo.net

Rússia descarta possível uso de armas nucleares na Ucrânia: usamos só armas convencionais

Armas nucleres táticas

Respondendo a uma questão se a Rússia vai usar armas nucleares na Ucrânia, em entrevista ao canal de TV India Today, o chanceler Sergei Lavrov disse: “Apenas armas convencionais”.

Após as negociações em Istambul, a Rússia mudou a configuração de suas tropas na Ucrânia como gesto de boa vontade, mas isso não foi apreciado devidamente, afirmou o chefe da chancelaria russa.

“Nós simplesmente mudamos a configuração de nossa presença militar na Ucrânia, isso foi anunciado logo após a reunião em Istambul. Nós dissemos que, uma vez que acreditámos no fato de eles terem apresentado o que pode ser a base de um acordo, que iríamos mudar, como gesto de boa vontade, a configuração nas regiões de Chernigov e Kiev; porém, sabem, isso não foi apreciado, em vez disso ocorreu de imediato a encenação em Bucha.”

O alto diplomata ressaltou ainda que Moscou não pretende mudar o regime na Ucrânia: “Queremos que os próprios ucranianos decidam como querem viver”, declarou.
Sergei Lavrov reiterou que a operação especial russa visa a liberação das repúblicas populares de Donetsk e Lugansk e revelou que agora está começando uma nova etapa.
Quanto à questão das sanções, ele constatou que Moscou resolveu todos os problemas ligados às restrições ocidentais e à sua dependência dos países do Ocidente em vários domínios, estando aberta à cooperação com todos os Estados que não se juntaram às sanções.

Chegamos a uma conclusão inequívoca: não podemos confiar nos nossos colegas ocidentais em nenhum domínio que tenha importância estratégica, seja a segurança alimentar (essa nós próprios mantemos), seja a indústria de defesa ou outros domínios onde se desenvolvem as tecnologias avançadas. Não tivemos tempo para conseguir a autossuficiência em todas essas áreas, mas na maior parte resolvemos esse problema”, disse Lavrov.

A decisão russa de receber os pagamentos pelo gás fornecido aos países ocidentais em rublos não contradiz os contratos existentes, ressalta ainda o ministro do Exterior. De acordo com ele, a medida será uma garantia de que “o roubo” de ativos russos não acontecerá nunca mais.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS