Tempo - Tutiempo.net

Senador dos EUA pede o assassinato de Vladimir Putin e Rússia reage

Senador republicado Lindsey Graham

O veterano senador republicado Lindsey Graham, eleito pela Carolina do Norte (EUA), falou à Fox News, nesta quinta-feira (3), que a única forma de acabar com a guerra é com a morte de Vladmir Putin, presidente da Rússia.

Ao fustigar a Rússia, EUA mexeram em vespeiro

Em entrevista exibida na televisão ele pediu que “alguém na Rússia” assassine o presidente Putin após a invasão da Ucrânia.

“Como isto acaba? Alguém na Rússia deve levantar… e acabar com este cara”, afirmou o senador ao canal conservador.

Depois ele repetiu a mensagem em uma série de tuítes, ao afirmar que “as únicas pessoas que podem consertar isso são o povo russo”.

“Existe um Brutus na Rússia?”, questionou, em referência a um dos conspiradores do assassinado do imperador romano Júlio César.

O senador republicano também questionou se existe uma “versão mais bem-sucedida do coronel Claus von Stauffenberg” no exército russo, em referência ao oficial alemão que tentou matar Adolf Hitler em 1944, mas falhou.

Lindsey Graham

@LindseyGrahamSC

Is there a Brutus in Russia? Is there a more successful Colonel Stauffenberg in the Russian military? The only way this ends is for somebody in Russia to take this guy out. You would be doing your country – and the world – a great service.

11:35 PM · Mar 3, 2022·TweetDeck

“ Você estaria prestando um grande serviço ao seu país – e ao mundo.”, acrescentou.

Rússia reage

O embaixador da Rússia nos Estados Unidos, Anatoly Antonov, condenou o comentário do senador americano Lindsey Graham, que pediu na televisão que “alguém na Rússia” assassine o presidente Putin.

Antonov classificou, na sexta-feira (4), a fala do senador republicano como “absurda” e “criminal”. O diplomata ainda pediu que o governo norte-americano se pronuncie e repudie o comentário de Graham.

Negociações

A invasão russa à Ucrânia chega ao seu nono dia. Até o momento, os países concordaram em uma rodada de negociações em formar corredores humanitários para facilitar a saída de civis do país. Por outro lado, uma negociação de ‘cessar-fogo’ durante a saída de civis ainda será discutida.

O presidente russo, Vladimir Putin, não reconhece as ofensivas ao território ucraniano como uma invasão ou guerra e ele acusa os ucranianos de “amedrontarem a população” com uma propaganda nacionalista.

Ele acusou novamente os nacionalistas ucranianos de usar civis como escudo e disse que a Rússia oferece construir corredores humanitários para o leste.

Já o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, disse que a “única maneira de parar a guerra”, enquanto as negociações estão em andamento, é que ele fale diretamente com o presidente russo Vladimir Putin.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS