Três deputados da oposição venezuelana pedem para deixar Parlamento

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Parlamento da Venezuela

O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela anunciou nessa terça-feira que três deputados de oposição ao governo pediram para ser “desincorporados” do Parlamento, perante suspeitas de alegadas irregularidades eleitorais na sua eleição pelo estado Amazonas.

Trata-se de Nirma Guarulla, Júlio Ygarza e Romel Guzamana, eleitos em 6 de dezembro último e empossados pelo Parlamento, apesar de o Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela (STJ) ter determinado a suspensão da posse por suspeita de irregularidades eleitorais.

“Eles pediram para ser desincorporados, para se defender judicialmente e evitar que com essa manobra o STJ torne nugatória [ridícula] a atividade da assembleia. Nesta quarta-feira informaremos, na sessão ordinária, tanto da carta pedindo a desincorporação, quanto da sentença que nos passou o tribunal”, disse o presidente do Parlamento, em declaração ao canal em espanhol da cadeia norte-americana de televisão CNN.

Henry Ramos Allup afirmou que se a Assembleia Nacional decidir desincorporar os três deputados, “a Câmara passará de 167 para 164” parlamentares, o que faz “baixar o quórum e, com isso, a aliança da oposição, a Mesa de Unidade Democrática manterá os dois terços” do Parlamento.

A Mesa de Unidade Democrática obteve, nas eleições de dezembro, a primeira vitória da oposição da Venezuela em 16 anos, conseguindo eleger 112 dos 167 lugares que compõem o Parlamento, uma maioria de dois terços que lhe confere amplos poderes e marca uma virada histórica contra o regime chavista, criado pelo presidente Hugo Chávez, que foi substituído por Nicolás Maduro.

Em 31 de dezembro passado, o STJ determinou a suspensão da proclamação de três parlamentares da oposição e de um do governo, fazendo com que apenas 109 deputados da oposição e 54 do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) fossem proclamados para iniciar funções, no dia 5 de janeiro.

No entanto, um dia depois, em sessão ordinária, o novo presidente do Parlamento, Henry Ramos Allup, empossou os três parlamentares opositores, reivindicando a maioria de dois terços na Casa, ato que foi questionado pelos deputados ligados ao “chavismo”.

Em 11 de janeiro, o STJ declarou que todas as decisões do Parlamento são “nulas” enquanto os três membros da oposição permanecerem como deputados.

Agencia Lusa

OUTRAS NOTÍCIAS