Ucrânia pede que Irã formalize culpa por queda de avião em documento internacional

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
© REUTERS / Handout

A Ucrânia pediu para o Irã reconhecer a culpa pela derrubada do Boeing 737 que caiu em 9 de janeiro em Teerã em um documento internacionalmente reconhecido.

“Existem muitos precedentes quando declarações públicas [o Irã admitiu ter derrubado a aeronave acidentalmente] não são confirmadas depois. Nós queremos uma admissão de culpa do Irã formalizada publicamente”, disse nesta sexta-feira (17) o chanceler ucraniano, Vadim Pristaiko, em sessão no Parlamento do país.

O ministro das Relações Exteriores afirmou ainda que as autoridades iranianas vão disponibilizar as gravações do voo para a Ucrânia, após uma equipe de investigadores internacional ter acesso ao material.

Na noite de ontem, o chanceler iraniano, Mohammad Javad Zarif, conversou por telefone com Pristaiko e garantiu que especialistas ucranianos participarão da decifração das caixas-pretas do Boeing 737 da companhia ucraniana.

O presidente da Ucrânia, Vladimir Zelensky, por sua vez, vem exigindo que o Irã se responsabilize por todas as consequências da queda, incluindo desculpas oficiais, investigação transparente e punição dos culpados.

Chanceler pede entrega imediata de dados do voo

No Parlamento, o ministro ucraniano exigiu a entrega imediata dos dados do voo para permitir uma investigação independente sobre o desastre.

Em 8 de janeiro, o Exército iraniano bombardeou com mísseis duas bases usadas por militares norte-americanos no Iraque, em represália pela morte do general Qassem Soleimani, comandante da Força Quds, do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica.

O comandante foi assassinado em 3 de janeiro em um ataque aéreo dos EUA nas proximidades do aeroporto de Bagdá.

Horas depois do bombardeio contra as bases, a defesa antiaérea do Irã derrubou um Boeing 737-800 da Ukraine International Airlines, que tinha acabado de decolar, com 176 pessoas a bordo, do aeroporto de Teerã com destino a Kiev.

Em 11 de janeiro, o Irã admitiu que o avião tinha sido derrubado por erro humano, após um operador achar que a aeronave era um alvo inimigo que tinha se aproximado demais de uma instalação militar.

Sputnik

OUTRAS NOTÍCIAS