Tempo - Tutiempo.net

Deputada bolsonarista chama mimimi distribuição absorventes, usávamos paninho

Jair Bolsonaro e a deputada Alê Silva

A deputada bolsonarista Alê Silva (PSL-MG) ironizou as críticas ao veto do presidente Jair Bolsonaro ao projeto que previa a distribuição gratuita de absorventes íntimos para estudantes de baixa renda de escolas públicas e pessoas em situação de rua ou de vulnerabilidade extrema.

Alê chamou de “mimimi” a reação ao veto do presidente e sugeriu às mulheres que não tem condições de comprar o produto que usem “paninho” no lugar dele.

“Sou do tempo em que usávamos paninhos, que a cada mês eram lavados e passados para serem novamente usados. Não tinha mi, mi, mi, aí o governo tem que me dar” , escreveu a deputada no Twitter. “Por que em 13 anos de PT nunca houve a distribuição “gratuita “de absorventes? Por que apenas dois países no mundo aderiram à prática?” , emendou.

A deputada diz que tem um projeto para criar um fundo nacional para a compra de absorventes que seria abastecido por quem defende a causa.

“O meu PL para que políticos que defendem doem parte de seus salários para a causa já está em andamento. Vou estendê-los aos empresários, notadamente jornais, para que doem parte de seus lucros para a compra, que tal?”.

Em sua apresentação no Twitter, a deputada chama Bolsonaro de “herói”.

Saiba mais: “Se veto for derrubado, vou tirar dinheiro da Educação e da Saúde”, ameaça Bolsonaro

Alê diz que o uso de recursos públicos para a compra de absorventes para pessoas carentes é “injusto”.

“Injusto é empurrar essa conta para os pagadores de impostos, inclusive os mais pobres, que são os que mais sofrem com as altas cargas tributárias deste país. Afinal de contas, não existe nada grátis”.

O presidente alegou que a proposta não previa fonte de recursos para o financiamento da iniciativa.

A decisão de Bolsonaro em relação ao projeto repercutiu negativamente.

O presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou que o veto de Bolsonaro é “candidatíssimo a cair”. Ainda não há data definida para a apreciação do veto.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 4 milhões de mulheres vivem sem acesso a itens mínimos de cuidados menstruais nas escolas no Brasil.

A dificuldade para comprar esse tipo de produto tem sido chamada de pobreza menstrual.

Ainda segundo a ONU, uma em cada quatro jovens brasileiras falta às aulas no período menstrual. Elas perdem cerca de 45 dias letivos por ano.

Alê Silva está entre os parlamentares bolsonaristas investigados no inquérito das fake news e dos atos antidemocráticos no Supremo Tribunal Federal.

A deputada também aparece na lista da CPI da Covid, de 26 congressistas, que espalham fake news sobre a pandemia.

Edson Sardinha

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS