Maia, Gilmar e Doria veem escalada de ‘autoritarismo’ no Planalto

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on linkedin
LinkedIn
Share on email
Email
Rodrigo Maia, Gilmar Mendes, João Doria e Jair Bolsonaro (Foto: Câmara dos Deputados | STF | Gov. SP | Carolina Antunes/PR)

 O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes e dez parlamentares discutiram o que consideram uma “escalada autoritária” de Jair Bolsonaro contra a imprensa, os governadores, o Congresso e outras representações da democracia.

Maia afirmou que a “linha dura” continua instalada no Palácio do Planalto, mas, de acordo com o parlamentar, o Congresso tocará as reformas tributária e administrativa, mesmo sem a iniciativa ou o apoio do Executivo. Os relatos sobre a insatisfação no meio político contra o ocupante do Planalto foram publicados no jornal O Estado de S.Paulo.

O ministro Gilmar Mendes reclamou da “bonomia” (bondade, falta de maldade, leniência) com que instituições e setores da sociedade convivem com as agressões de Bolsonaro. Ele defendeu o “fim dessa bonomia”.

Doria criticou Bolsonaro por manifestações que não contribuem com “a evolução da democracia”. Nesta quarta-feira (19), após encontro com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), cobrou de Bolsonaro “diálogo e entendimento”.

Nesta terça-feira (18), Bolsonaro insultou com insinuação sexual a jornalista Patricia Campos Mello, do jornal Folha de S.Paulo, por causa de reportagens sobre o disparo em massa de fake news no WhatsApp para favorecer o ocupante do Planalto. “Ela [repórter] queria um furo. Ela queria dar o furo a qualquer preço contra mim [risos dele e dos demais]”.

247

OUTRAS NOTÍCIAS