Tempo - Tutiempo.net

Senadores cobram CPI da Covid para investigar conduta de Bolsonaro

Pedido de CPI está na mesa do presidente da Casa, Rodrigo Pacheco

Insatisfeitos com a resposta do governo federal à pandemia da covid-19, senadores devem pressionar o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), a instalar, nesta semana, uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a conduta do presidente Jair Bolsonaro e demais membros do Executivo à crise sanitária. O pedido chegou à mesa de Pacheco no início de fevereiro.

Os parlamentares acreditam que ele teve tempo suficiente para refletir sobre o pedido e que precisa dar uma resposta logo, sobretudo por causa do recrudescimento dos números de mortos e infectados pela doença.

Além do estágio severo da pandemia, pesa para o pedido de CPI o fato de Bolsonaro ter voltado a entrar em choque com governadores devido ao restabelecimento de medidas restritivas ao comércio como forma de tentar frear a disseminação do novo coronavírus.

Além disso, a cada semana, o presidente cumpre agenda oficial em diferentes unidades da Federação e, na maioria das vezes, não usa máscara de proteção e provoca aglomerações, atitudes que favorecem a proliferação da covid-19.

Os senadores aguardam uma reação de Pacheco, pois acreditam que ele tem de mostrar ao restante do Senado que é independente ao Palácio do Planalto — nas eleições deste ano para a presidência da Casa, Bolsonaro fez campanha pelo democrata —, e não passar a impressão de que vai deixar o governo “fazer o que quiser”.

No último fim de semana, os 31 parlamentares que assinaram o pedido para a abertura da CPI da covid passaram a conversar em um grupo de WhatsApp para definir como será a cobrança.

A primeira pressão pode acontecer hoje, durante sessão no plenário, quando pensam em pedir a Pacheco para ler o requerimento e instalar a CPI.

“O governo deixou de usar R$ 80 bilhões de orçamento para covid-19 em 2020. Os recursos que mais ficaram parados foram os destinados à área da saúde e ao pagamento do auxílio emergencial.

Duas urgências indiscutíveis. A instalação da CPI da pandemia é urgente”, explicou o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), líder do partido no Senado, que protocolou o pedido no mês passado.

“Bolsonaro cortou o auxílio emergencial, fechou leitos de UTI, promove aglomeração, combate o uso de máscaras, desdenhou dos laboratórios produtores de vacinas, estimulou o uso de cloroquina.

Ele não governa, comete crime”, acrescentou o senador Paulo Rocha (PT-PA), líder do partido na Casa.

Lira é contra

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), criticou o pedido de instauração de uma CPI da covid. Segundo ele, o momento não é bom para esse tipo de discussão e o Legislativo deveria se preocupar em analisar pautas que ajudem no combate à crise e que contribuam para a compra de mais vacinas.

Para ele, a comissão deve ser instalada no futuro, quando os efeitos da pandemia estiverem menores.

“Depois que garantirmos vacinas para a população, vamos ter a oportunidade. Mas se, agora, pararmos o Congresso com uma CPI para discutirmos quem está errando, não vamos conseguir concentrar esforços para que a gente tenha uma saída mais rápida possível, para que o Brasil tenha sua população atendida com relação à pandemia, saúde e economia com condições de se manter em pé para que não entremos numa recessão”, acrescentou.

Augusto Fernandes

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS