Tempo - Tutiempo.net

Thomaz Nonô e Aldo Rebelo são exceções na Câmara dos Deputados

Ex-presidentes passam incólumes na lista de enrolados com a Justiça

Um estudo realizado por uma equipe de consultoria política de Brasília divulgou ontem uma lista com o nome dos últimos 13 presidentes da Câmara Federal e desses apenas dois não estavam enrolados criminalmente na Justiça. Trata-se dos alagoanos: Aldo Rebelo (PCdoB) e José Thomaz Nonô (DEM).

Aldo Rebelo foi presidente da Câmara de setembro de 2005 a fevereiro de 2007. Ele foi eleito após disputa acirrada em segundo turno contra o então deputado federal José Thomaz Nonô, ainda no antigo PFL que veio a se tornar Democratas.

Rebelo, que era candidato do presidente Lula (PT), recebeu 258 votos, contra 243 de Nonô que representava a oposição.

Sobre o estudo que vem sendo divulgado, Rebelo se limitou a dizer que não teve acesso a informação, mas que de fato nunca teve empecilho nenhum com a justiça.

“LIMPINHO, LIMPINHO”

Em contato com a reportagem da Tribuna Independente, Nonô, que assumiu interinamente pelo período de apenas sete dias, de 21 a 28 de setembro de 2005, após renúncia do então presidente Severino Cavalcanti (PP), acusado de corrupção, não se mostrou surpreso com o levantamento feito sobre seu nome.

“Passei 24 anos na Câmara, limpinho, limpinho. Quando fui eleito vice-presidente da Câmara, a [revista] Veja fez uma matéria sobre os membros dela e desceu o cacete em todos. Só sobrou o José Thomaz Nonô, pois não tem o que falar de mal dele.

Meus amigos, meus eleitores, o pessoal tem que ter orgulho disso principalmente num momento tão delicado desse e eu me sinto bem. É isso que permite que eu vá ao supermercado, ao banco. Acho que todo mundo que votou comigo não se arrependeu e quem não votou me respeita”, disse Nonô, atualmente é secretário de Saúde de Maceió.

ENROLADOS

O levantamento mostra também os enrolados com a justiça e acusados de crimes de corrupção. Destaque para Eduardo Cunha (PMDB-RJ), atualmente detido por envolvimento na operação Lava Jato.

Carlos Victor Costa

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS