Tempo - Tutiempo.net

Literatura de cordel recebe título de Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro

Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará e Bahia são os principais celeiros de produção e consumo da arte
Gênero literário, veículo de comunicação, ofício e meio de sobrevivência para inúmeras pessoas, a literatura de cordel foi reconhecida pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) como Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro. A decisão foi tomada por unanimidade pelo Conselho Consultivo, reunido no Forte de Copacabana, no Rio de Janeiro. Apesar de ter começado no Norte e no Nordeste do país, o cordel hoje é disseminado por todo o Brasil, principalmente por causa do processo de migração de populações.
“Poetas, declamadores, editores, ilustradores, desenhistas, artistas plásticos, xilogravadores, e folheteiros, como são conhecidos os vendedores de livros, já podem comemorar, pois agora a literatura de cordel é Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro”, anunciou o órgão, em reunião com as presenças do ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, da presidente do Iphan, Kátia Bogéa, e do presidente da Academia Brasileira de Literatura de Cordel, Gonçalo Ferreira.
O cordel foi inserido na cultura brasileira ao final do século 19. O gênero resultou da conexão entre as tradições orais e escritas presentes na formação social brasileira e carrega vínculos com as culturas africana, indígena, europeia e árabe. Tem ligação com as narrativas orais, como contos e histórias, à poesia cantada e declamada e à adaptação para a poesia dos romances em prosa trazidos pelos colonizadores portugueses.
Originalmente, a expressão literatura de cordel não se refere em um sentido estrito a um gênero literário específico, mas ao modo como os livros eram expostos ao público, pendurados em barbantes, em uma espécie de varal.
De acordo com o Iphan, os poetas brasileiros no século 19 conectaram todas essas influências e difundiram um modo particular de fazer poesia que se transformou numa das formas de expressão mais importantes do Brasil. Segundo o Ministério da Cultura, trata-se de uma expressão cultural que “revela o imaginário coletivo, a memória social e o ponto de vista dos poetas sobre acontecimentos vividos ou imaginados”. Hoje, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará e Bahia são os principais celeiros de produção e consumo da arte.
Em Pernambuco, a literatura é destaque em festivais. Em Caruaru, há o Museu do Cordel Olegário Fernandes e também a Academia Caruaruense de Literatura de Cordel (ACLC), fundada em 2005 para valorizar os poetas do passado e incentivar futuros cordelistas.
O cordel tem uma rica poética e seus versos podem vir em quadra, sextilha, septilha, oitava, quadrão, décima, martelo, galope à beira-mar, redondilha ou carretilha. Métricas e rimas embaladas com causos de humor, reflexão e temáticas das mais variadas.
REPRESENTANTES
A literatura de cordel tem icônicos representantes do passado como o cearense Aderaldo Ferreira de Araújo, o Cego Aderaldo, os paraibanos Leandro Gomes de Barros, Apolônio Alves dos Santos e Aderaldo Ferreira de Araújo, o piauiense Firmino Teixeira do Amaral, os pernambucanos José Pacheco da Rocha, Elias Carvalho, João Ferreira de Lima, Manoel Monteiro e Severino Milanês, entre outros célebres nomes. A tradição também acompanha o tempo e se atualiza, como no trabalho do cordelista pernambucano Josué Limeira, que transforma em cordel histórias como as de O pequeno príncipe, Pokémon e Game of thrones.
A história do cordel também tem guardiões. Como no caso da pesquisadora e escritora Maria Alice Amorim. No acervo que leva o seu nome, a tradição é preservada e há um trabalho de pesquisa documental, com um conjunto de sete mil exemplares catalogados e digitalizados. O acesso ao conteúdo pode ser feito na Fundação Joaquim Nabuco, no Recife.
Diário de Pernambuco
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS