A cara do Brasil, hoje, é a do homem que chutou o mendigo no chão

Chutando o mendigo - foto arquivo

Pelo mundo, o Brasil é, por um lado, uma piada institucional, uma república de bananas em crise com uma vocação invencível para impeachments e golpes dos mais variados tipos. Uma democracia digna de risadas ou pena.

Por outro lado, foi-se a nossa proverbial gentileza, ou a impressão de gentileza e bonomia. Somos a nação do ódio e todos sabem disso.

A cara do Brasil é a do canalha que chutou o mendigo na rua do centro de São Paulo. O vídeo da ignomínia viralizou. Foi parar, por exemplo, no tabloide NEW YORK POST, o sétimo jornal mais lido dos EUA.

Ainda não se sabe a identidade do cidadão. O autor da postagem no Facebook é Maicon Campos, motorista do Uber.

Ele contou que três sujeitos — três — agrediram o homem no chão. Ele conseguiu filmar apenas um deles. Seguiu o trio para ver aonde iam.

Quando os encontrou falando com um policial, imaginou que fosse sua chance. Abordou o PM e mostrou-lhe o que estava no celular.

O soldado mentiu, alegando que não podia fazer nada, e o mandou fazer um BO. Na base comunitária, ouviu a mesma coisa.

A onda de indignação veio quando ele colocou o vídeo em sua página — mas de que adianta essa histeria vazia?

Além do PM, quantos outras outras pessoas testemunharam o caso ao vivo e a cores e foram omissas? Por que só Maicon tentou fazer alguma coisa?

O monstro que chutou o sem teto e a inação dos circunstantes formam o retrato do que nos tornamos. O lugar onde velhinhos carregam cartazes perguntando “por que não mataram todos em 64?”

Onde manifestantes fazem bonecos de Lula, Dilma e outros “inimigos” tendo a cabeça cortada em guilhotinas. Onde ciclistas são espancados por malucos que querem “a Paulista de volta”.

Onde um juiz vira salvador da pátria e anjo vingador. Um juiz que manda carta malcriada para jornal, reclamando de articulista que não o elogia.

Onde colunistas estimulam e vomitam raiva diuturnamente.

Se o Brasil se olhar no espelho, vai enxergar o pústula que deu um coice no mendigo. Reconhecer isso pode ser o primeiro passo para a nossa cura.

kIKO NOGUEIRA

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS