Tempo - Tutiempo.net

A mamata não acabou

CONTINUA TUDO NO MESMO

Está no dicionário a definição de “mamata”: emprego rendoso que requer pouco ou nada de trabalho; teta. Parece a descrição do trabalho de alguns ministros do governo Bolsonaro.

Em menos de sete meses, quatro se afastaram do cargo, que tem remuneração de R$ 39 mil mensais, para tratar de “assuntos particulares”. Se isso não é mamata, sei lá o que é.

Sergio Moro, da Justiça, tirou uma semana para dar um rolê nos States com a “conje”.

Marcelo Antônio, do Turismo, aquele enrolado no escândalo dos laranjas do PSL, só disse que estará com a família.

Não é uma maravilha?

Pode ser só inveja, eu mal tenho tempo de estar com a minha. Quem manda eu não ser ministra?

Marcos Pontes, da Ciência e Tecnologia, desfruta de licença para participar das celebrações dos 50 anos do pouso da Apollo 11.

É anfitrião do Almoço com o Astronauta, no Nasa Kennedy Space Center Visitor Complex.

Não é a primeira vez que Pontes dá expediente no complexo para entreter turistas. Frila um tanto inadequado no momento em que o presidente insulta o diretor do Inpe e joga o problema no colo do ministro, que parece estar no mundo da lua.

E, claro, Abraham Weintraub, o titular da Educação, mas pode chamar de ministro da treta.

Em três meses acumula incidentes, na ativa e no recesso. Usou o site do MEC para justificar o descanso, apesar do pouco tempo de labuta.

Diz que tem férias vencidas por causa do seu vínculo com a Unifesp. Então, tá.

Ainda que tudo tenha sido feito dentro da legalidade, com ou sem remuneração, o que dizer de um governo que mal começou (e começou mal), coleciona crises e maus resultados, mas seus ministros sentem-se à vontade para tirar férias?!

Em outubro, irritado com as críticas da Folha, Bolsonaro disse que ia acabar com a “mamata” do jornal.

O que mais esse governo tem dado é trabalho. Mamata, pelo visto, só para seus ministros, filhos e amigos.

Mariliz Pereira Jorge

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS