Tempo - Tutiempo.net

A marcha para o estado de exceção, com Moro/por Luis Nassif

Mais um desastre anunciado

No Brasil, imaginava-se que a tragédia Bolsonaro tivesse sido uma lição para uma elite institucional provinciana, atrasada que nos últimos dez anos destruiu todos os resquícios de democracia e de direitos sociais.

]O apagão administrativo, os negócios com vacinas, provocando a morte de centenas de milhares de pessoas, os riscos que a democracia correu, não soçobrando exclusivamente devido aos terraplanistas que cercam Bolsonaro – e que contribuíram para sua desmoralização – nada disso adiantou.

O país tem uma elite historicamente autoritária. E, nos preparativos para as próximas eleições, ela terá papel na definição da terceira via.

Daqui para frente, há algumas tendências começando a ganhar corpo:

1. Um esvaziamento lento de Jair Bolsonaro, com a direita migrando para Sérgio Moro. É um processo inicial, mas que poderá ganhar uma dinâmica maior, com a queda de popularidade de Bolsonaro.

2. O esvaziamento das candidaturas de Ciro Gomes e João Dória Jr e dos demais candidato da terceira via. É mais uma eleição em que Ciro se auto-destrói pela absoluto paradoxo de dispor dos melhores diagnósticos para o país, e das piores estratégias políticas.

Quis o cetro de anti-Lula, sem sequer avaliar de quem seria o trono, quando Moro entrasse no jogo.

3. O arco de apoio a Moro está sendo montado com o Partido Militar, mercado e grupos empresariais. Provavelmente seu porta-estandarte será o ex-procurador Deltan Dallagnol, mais articulado e desinibido que Moro.

Nas próximas semanas se verá melhor os movimentos da mídia.

A semana de lançamento de candidatura é, normalmente, a de maior impacto. Serão necessárias algumas semanas a mais para se avaliar melhor a dimensão da candidatura Moro.

De um lado, haverá a mediocridade explícita de Moro.

De outro, a falta de alternativas para a terceira via. Finalmente, a falta absoluta de visão política prospectiva da parte da mídia. Uma eventual vitória de Moro significaria o golpe final na democracia.

Ao contrário de Bolsonaro, Moro tem relações umbilicais com o Partido Militar. Bolsonaro era aceito de forma algo envergonhada pelos militares, ao preço de abrir 8 mil cargos no governo.

Já Moro é apoiado desde a Lava Jato. Os modos discreto, a perversidade fria de Moro é mais adequada aos protocolos militares do que o histrionismo de Bolsonaro.

Moro foi o Ministro que perseguiu adversários recorrendo à Lei de Segurança Nacional; que tentou criar uma versão falsa da Vazajato para prender e expulsar do país o jornalista Glenn Greenwald.

É o Ministro que colocou a Polícia Federal para intimidar um simples porteiro de condomínio que depôs sobre Bolsonaro no episódio da reunião prévia dos assassinos de Marielle Franco, no condomínio onde mora o presidente.

É o Ministro que organizou a Operação Garantia de Lei e Ordem no Ceará e estimulou o motim da Polícia Militar, episódio só contido pela coragem imprudente do senador Cid Gomes.

Com Moro no poder, haveria a volta do aparelhamento da Polícia Federal pelos delegados da Lava Jato; um retorno dos abusos do Ministério Público Federal; a intimidação dos críticos com uso ampliado do poder de Estado, com funcionários cooptamos do COAF, da Receita e a militância política extremada do Judiciário.

Aliás, a entrevista de Dallagnol, ontem, à CNN, foi de um deslumbramento constrangedor da parte dos jornalistas, mostrando que o jornalismo será mais uma vez sacrificado em nome dos interesses políticos dos grupos empresariais.

Na esquerda, o jogo também é complicado.

Lula já se firmou definitivamente como o candidato do arco de esquerda. Mas terá que fazer um movimento forte em direção ao centro. No momento, fala-se em dobradinha com o ex-presidenciável Geraldo Alckmin. Há ainda a possibilidade de uma liderança empresarial influente.

A montagem do grande arco de esquerda demandará concessões de lado a lado, com o PT abrindo mão de algumas candidaturas em favor dos partidos da aliança.

Trata-se de uma estratégia que Lula domina amplamente, ao contrário das dificuldades que Bolsonaro e Moro encontrarão para amarrar as alianças regionais.

De qualquer modo, ainda se está na preliminar do jogo principal.

Luis Nassif

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS