Análise: O papa é pop na Globo e criticado na Record

Ligada à Universal, a Record repisou exaustivamente as cenas “exclusivas” de um ataque de tubarão em Recife, para não abrir as câmeras ao papa Francisco. Recorreu também a uma interminável viagem de trem por Maranhão e Pará, no “Jornal da Record”.

 

Quando entrou no assunto, afinal, aproveitou para anotar que manifestantes “reclamam do posicionamento da Igreja Católica sobre o aborto”, destacando que no Uruguai, após a legalização, nenhuma mulher morreu do procedimento. Não é a primeira vez que a rede evangélica apela ao aborto para questionar a igreja concorrente.

 

Por outro lado, a Globo relatou com sorrisos largos a passagem pelas ruas do Rio, que deixou os fiéis “encantados com a simplicidade do santo padre”, na locução do “Jornal Nacional”.

 

“O papa é pop”, dizia uma entrevistada. “Ele é gente como a gente”, acrescentava outro. “A cada esquina ele faz novos amigos”, ecoava o próprio repórter. O tom só mudou um pouco ao abordar o “confronto” entre manifestantes e policiais.

 

Ao longo de tarde e noite na Globo News, além dos padres comentaristas que dão ao canal de notícias um tom católico quase oficial, a apresentadora Leilane Neubarth anunciou a certa altura que o papa Francisco alcançou o que buscava: “Todos os corações já estão abertos para ele”.

 

Entre as emissoras católicas, a Rede Vida foi mais sóbria, como é característica sua.

 

Já a carismática Canção Nova, entre pedidos de doação de dinheiro e até ouro nos intervalos, inclusive um que oferecia foto de Francisco em troca de R$ 20, avisou que quem assistisse às transmissões podia “lucrar com indulgências”.

 

Explicou serem “graça de Deus” para os vivos ou para quem enfrenta “a purgação final no purgatório”.

 

Das redes nacionais, a que abriu mais espaço à chegada do papa ao Rio foi a Band. José Luiz Datena narrou ao vivo no “Brasil Urgente”, entre brincadeiras mais ou menos respeitosas, o congestionamento enfrentado por Francisco na avenida Presidente Vargas.

 

A seu lado, o filósofo Mário Sérgio Cortella, da PUC-SP, era chamado para comentar não só “o desprendimento desse argentino humilde”, no dizer do apresentador, mas se os carros da comitiva “erraram o caminho”.

 

 

Fonte: Nelson de Sá

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS