Apenas uma em cada cinco cidades do País tem local preparado para receber menor infrator

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Apenas um em cada cinco municípios brasileiros tem unidades de atendimento a adolescente em conflito com a lei, ou seja, os menores infratores, de acordo com a pesquisa Munic (Perfil dos Municípios Brasileiros) – Assistência Social 2013, divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quarta-feira (14).

 

No ano passado, havia, no País, 1.918 unidades para cuidar de adolescentes infratores em liberdade assistida e prestação de serviços à comunidade. Esses centros estavam em 1.240 cidades brasileiras, ou seja, 22,3% dos municípios do País contavam com essas unidades.

 

Feita no ano passado, a Munic está em sua 11ª edição e se concentra, pela terceira vez, na questão da assistência social no âmbito municipal, investigando todos os 5.570 municípios do País.

 

A maior parte das casas para tratamento de menores infratores está concentrada na região Sudeste, onde 35,4% dos municípios têm ao menos uma unidade. A região Sul tem 27,9% das cidades com algum centro deste tipo. As regiões Centro-Oeste e Norte apresentaram, respectivamente, coberturas de 19,9% e 15,8% de centros de apoio aos menores.

 

Por fim, a Região Nordeste apresentou o menor percentual, com apenas 8,6% dos seus municípios contando com esse tipo de unidade.

 

Outro recorte interessante sobre as unidades de ressocialização de adolescentes infratores é que, das 1.240 cidades que têm o serviço, 308 têm de 20.001 a 50 mil habitantes. Outras 224 cidades com centros para menores infratores têm de 10.001 a 20 mil pessoas. As maiores cidades, com mais de 500 mil pessoas, possuem apenas 33 unidades de ressocialização.

População de rua

Quando se tratam de abrigos para a população de rua, apenas 5,4% dos municípios têm um Abrigo Institucional ou Casa-Lar para essa população. Ao todo, são 482 unidades distribuídas por 300 cidades brasileiras.

A pesquisa do IBGE indica, porém, que os Estados do Amazonas, Roraima, Amapá e Maranhão não têm nenhum município com essas unidades para abrigar moradores de rua.

 

Por outro lado, a proporção é mais expressiva está no Sudeste, onde 10% das cidades possuem ao menos um local para receber moradores de rua — segundo o IBGE, é natural, já que a região tem municípios mais populosos.

 

Nas regiões Sul e Centro-Oeste, respectivamente, 6% e 6,2% dos municípios oferecem esses locais para esse público específico. Por fim, no Norte, apensa 1,8% das cidades oferecem o serviço, porcentual semelhante ao do Nordeste, com 1,3% das cidades com centros para receber moradores de rua.

Fonte: R7/ Foto: web

OUTRAS NOTÍCIAS