Autoescolas estavam fraudando exame com dedos falsos

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Mais um esquema de fraude no Departamento Estadual de Trânsito (Detran-SP) foi descoberto segunda-feira, 25, em uma ação que envolveu a Corregedoria do órgão e a Polícia Civil.

Duas autoescolas da capital usavam digitais de silicone para fraudar a presença de candidatos a obter a carteira de habilitação em aulas e provas.

O serviço saía por R$ 2 mil. Ao todo, a polícia apreendeu cerca de 5 mil digitais de silicone.

Duas pessoas – pai e filho – foram presas por policiais do 17.º Distrito Policial (Ipiranga). Elas são donas das autoescolas, cujos nomes não foram divulgados pelos policiais.

Uma fica no Ipiranga, na zona sul, e pertence ao pai, enquanto a outra, na Vila Alpina, zona leste da capital, é de propriedade do filho.

O golpe descoberto pela investigação – que, segundo o delegado Levi D’Oliveira, do 17º DP, começou a partir de denúncia à Corregedoria do Detran-SP – consistia em copiar as impressões digitais dos candidatos.

Para isso, segundo a polícia, as duas autoescolas pediam para os candidatos colocarem os dedos em moldes de gesso, que eram recobertos com silicone.

Quando o material secava, as impressões ficavam gravadas nas falsas digitais. Existem suspeitas de outras autoescolas em vários estados podem esta com a mesma pratica.

Com o material feito pelas autoescolas, funcionários eram orientados a marcar a presença dos candidatos nas aulas teóricas – e até na prova para tirar a habilitação.

Existem anotações que mostram que os indiciados cobravam até R$ 2 mil para fazer o serviço, conforme declaração do delegado D’Oliveira.

Segundo o delegado, pai e filho devem responder por inserção de dados falsos, crime contra a administração pública, cuja pena varia entre 2 e 12 anos de prisão.

O advogado dos dois presos estava na delegacia na tarde de ontem, mas preferiu não falar com a imprensa.

Outra etapa da investigação será identificar os candidatos a motorista que contrataram o serviço.

Tarefa fácil, segundo o delegado. “Nas digitais, há nome e CPF de cada condutor”, afirma.

Havia cerca de 500 kits com a identificação do condutor nas duas autoescolas, segundo a polícia. Essas pessoas vão responder por corrupção e por falsidade ideológica.

O esquema descoberto ontem é mais uma fraude que ocorre no Detran após a mudança na gestão do órgão – que deixou de responder à Polícia Civil e foi transformado em autarquia para justamente tentar pôr fim a fraudes que, por anos, foram associadas à imagem do departamento.

Apesar da mudança e da promessa de retirada de 900 policiais que trabalham no órgão – eles serão substituídos por servidores concursados -, os casos de corrupção continuam ocorrendo.

No fim do mês passado, foi descoberto um esquema no Guarujá, litoral sul, que envolvia até o cancelamento de multas.

Fonte: Evelson de Freitas

OUTRAS NOTÍCIAS