Tempo - Tutiempo.net

BANDEIRA DE MELLO DIZ QUE JUDICIÁRIO VIROU PEÇA DA GUERRA POLÍTICA

Carlos Antonio Bandeira de Melo

Prestes a completar 80 anos, o professor Celso Bandeira de Mello, um dos principais juristas brasileiros, diz que “não tem mais ilusões” em relação ao Poder Judiciário.

Na sua avaliação, a Justiça virou um instrumento da guerra político-partidária e isso se expressa de forma clara no que enxerga como perseguição contra o ex-presidente Lula.

Bandeira de Mello diz que Lula fez muito bem em recorrer à Comissão de Direitos Humanos das Nações Unidas, por meio dos advogados Cristiano Martins e Geoffrey Robertson.

– Ora, qualquer pessoa sabe e todos os ministros do Supremo Tribunal Federal têm plena consciência de que os direitos e garantias do ex-presidente Lula estão sendo violentados – diz Bandeira de Mello.

Ele cita como exemplos a condução coercitiva determinada pelo juiz Sergio Moro em 4 de março deste ano e os vazamentos de conversas telefônicas com a própria presidente da República.

– Tanto os ministros Teori Zavascki como Marco Aurélio Mello repreenderam o juiz Moro, que, inclusive, se viu forçado a pedir desculpas. O problema é que ficou nisso. Teori chegou até a definir o comportamento do juiz Moro como medievalesco.

Bandeira de Mello diz que o STF se curvou aos interesses de uma mídia monopolizada e rejeita a tese de que o recurso de Lula mancha a imagem do Judiciário e do próprio País no exterior.

– Se o Brasil assinou o pacto que garante a todos os cidadãos brasileiros o direito de denunciar arbitrariedades à comissão de Direitos Humanos, isso vale para todos, inclusive para um ex-presidente da República.

O jurista avalia, no entanto, que o máximo que virá da Comissão de Direitos Humanos será uma censura ao Brasil, o que terá apenas efeitos morais e políticos.

– Mas os nossos políticos de hoje perderam completamente o senso moral. Prova disso é a farsa do impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Prisão de Lula

O jurista, no entanto, não acredita que a força-tarefa terá a coragem de decretar a prisão do ex-presidente Lula.

– Primeiro, porque não há crime. Segundo, porque isso colocaria o Brasil num ambiente de convulsão e revolta social. Haveria greves, invasões e uma grande revolta, que seria legítima, diante da arbitrariedade cometida.

Sobre o fato de Lula ter sido indiciado por outro juiz, Ricardo Leite, de Brasília, ele afirma que o Judiciário é um poder essencialmente conservador e conectado a elites que sempre se colocaram contra projetos de emancipação popular.

Leonardo Attuch

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS