Congresso sugere banco de horas para empregados domésticos

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Na primeira reunião da comissão mista instalada para regulamentar pontos da Constituição Federal, os parlamentares propuseram a criação de um banco de horas para os empregados domésticos. A ideia é reduzir os gastos dos patrões com horas extras nos casos em que o empregado dorme na casa em que trabalha ou dos cuidadores de idosos. O acúmulo de horas trabalhadas poderá ser compensada com folgas, segundo a proposta do Congresso.

 

O relator da comissão, senador Romero Jucá (PMDB-RR), será o responsável por elaborar um parecer que vai propor soluções para os pontos que ainda precisam de regulamentação sobre a nova lei das domésticas. Segundo Jucá, a proposta de criação de um banco de horas foi discutida ontem em reunião com o ministro do Trabalho, Manoel Dias.

 

Jucá afirmou que a proposta será apresentada para apreciação dos demais membros da comissão até 1º de maio, data em que é comemorado o Dia do Trabalho. “Neste dia já temos que ter uma sinalização para a sociedade. Temas como hora extra, adicional noturno, viagens, trabalho além das 10 horas diárias, tempo de almoço, tudo isso será discutido para que tenhamos uma regra especial. O trabalho doméstico é um trabalho peculiar, é importante registrar essas diferenças e fazer um acordo coletivo de horários de forma que todos possam sair ganhando”, afirmou o senador.

 

Para o parlamentar, um ponto deve gerar discussão por falta de consenso: a multa sobre o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) que o patrão deve pagar em caso de demissão sem justa causa. A legislação trabalhista define um percentual de 40%, mas, na situação envolvendo empregados domésticos, Jucá defende um limite de 10%. Também deverão ser regulamentadas as situações que configurem justa causa nesta relação trabalhista.

 

“Uma multa de 40% pode levar a família a penhorar um bem para pagar. Até 1º de maio haverá uma proposta, mas não haverá consenso. Temos que entender que a demissão por justa causa numa relação em residência é algo difícil de caracterizar, é por isso que não podemos ter uma multa alta porque pode criar um passivo para as famílias difícil de resolver”, disse.

Fonte: Redação

OUTRAS NOTÍCIAS