Tempo - Tutiempo.net

É impressionante as falsificações históricas oferecida ao público pela imprensa corporativa, escreve Leonardo Attu

Lula é do povo

Você sabe qual foi a valorização da Bolsa de Valores durante o governo Lula? Nada menos do que 500% em reais e quase 1.200% em dólares, segundo reportagem do jornal O Globo.

Um dado que contrasta fortemente com os índices do governo Bolsonaro, em que a bolsa brasileira amarga os piores indicadores entre países emergentes. Já ouviu falar em grau de investimento?

Pois é: foi também no governo Lula, e sob a gestão do ex-ministro Guido Mantega, que o Brasil passou a ser um país considerado seguro para se investir, de acordo com reportagem do G1.

Mas mesmo que você não invista no mercado de capitais, certamente se importa com o mercado de trabalho. Pois bem: você sabia que no governo da ex-presidente Dilma Rousseff o Brasil viveu a situação de pleno emprego, em que todos aqueles que estavam dispostos encontravam serviço?

A informação consta de uma matéria do portal R7, do bispo bolsonarista Edir Macedo. Hoje, o Brasil vive a maior situação de desemprego e precarização do trabalho em toda a sua história e esses dados raramente vêm a público – até porque, por outras razões, barões da mídia, como Edir Macedo, seguem alinhados à destruição bolsonarista.

Passemos à questão fiscal. Em seu editorial de hoje, o jornal O Globo classifica como “terraplanistas fiscais” aqueles que contestam as medidas implementadas após a ponte para o futuro.

O que o jornal não conta é que os números de resultados fiscais e da dívida interna foram muito melhores sob os governos Lula e Dilma do que na era Temer/Bolsonaro. Basta acessar os dados oficiais do IBGE sobre contas públicas para verificar.

O fato incontestável é que não há, na história recente do Brasil, período de maior prosperidade econômica do que aquele compreendido entre 2003, primeiro ano de Lula, e 2014, o último em que Dilma conseguiu governar.

A partir dali, tiveram início dois fenômenos que destroçaram a economia brasileira e da qual ela ainda não conseguiu se recuperar: a conspiração golpista no parlamento, com sua política do ‘quanto pior, melhor’, e a Operação Lava Jato, que quebrou construtoras e desempregou 4,4 milhões de brasileiros, segundo o Dieese, para criar uma percepção de mal-estar na sociedade que viabilizasse o golpe de estado de 2016.

Os dados são quase autoexplicativos, mas Lula e o Partido dos Trabalhadores ainda não se deram conta de que eles devem estar à palma da mão ou a um clique de distância de todos aqueles que queiram se engajar no processo de reconquista do Brasil.

O que o editorial de hoje do Globo demonstra é a impressionante quantidade  falsificações históricas oferecidas ao público pela imprensa corporativa.             

Para enfrentar a desinformação, urge preparar um guia digital sobre o que aconteceu na economia entre 2003 e 2014, com dados oficiais e incontestáveis.

Isso não significa que a política econômica daquele período tenha sido perfeita e que erros e excessos não tenham sido cometidos.

É importante dizer, inclusive, o que deve ser aperfeiçoado. Mas não há registro histórico de período com maior prosperidade com inclusão social no Brasil.

Leonardo Attuch

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS