Tempo - Tutiempo.net

Hostilidade entre alas militar e ideológica é armadilha para Bolsonaro

Presidente Jair Bolsonaro conversa com aluna do Colégio Militar do Rio de Janeiro durante cerimônia de 130 anos da instituição — Foto: Henrique Coelho / G1

A briga persistente entre alas do governo Jair Bolsonaro, cujo último capítulo foi um tuíte do general Eduardo Villas-Bôas, tem um sentido político que vai além da mera disputa pelo poder. Traduz um conflito que, levado ao limite, pode paralisar o governo ou mesmo levá-lo ao fim.

O choque entre a ala militar e a ideológica, ou soberanista, põe Bolsonaro diante de um dilema insolúvel. De um lado, a força e o poder das armas. Do outro, a família e o poder da militância nas redes sociais.

Diante da escolha impossível, Bolsonaro minimiza o confronto. Transmite sinais ambíguos para agradar ambos os lados. Contemporiza e, com razão, afirma que o Brasil tem problemas mais sérios. O único senão é que a disputa mina a estabilidade de seu governo. Ao ignorá-la e deixá-la prosperar, revela a própria fraqueza.

Com a liderança fraca, o Brasil se vê nas mãos daqueles grupos que realmente detêm poder no país, pela posição que ocupam ou pela capacidade de gerar transtorno: militares, ministros do Supremo, funcionalismo público refratário às reformas, caminhoneiros, milícias digitais, petroleiros e por aí afora.

Ao longo da campanha eleitoral, espalhou-se o temor descabido de que Bolsonaro representaria um risco autoritário. A imprensa foi inundada de artigos sobre o populismo e a involução institucional em vários países do mundo, da Venezuela à Hungria. Bolsonaro, argumentavam, poria ao Brasil no mesmo rumo das autocracias contemporâneas.

Embora sedutora, a ideia esbarra na contradição mais óbvia dentro do governo. A ala mais interessada em ampliar os poderes presidenciais (a ideológica) não tem força para impor sua agenda e está restrita aos devaneios no Itamaraty e no ministério da Educação. A ala que tem força (a militar) tem se pautado pela atuação técnica e profissional. O conflito entre as duas torna inviável qualquer ruptura.

Bolsonaro não pode se livrar de nenhuma delas. Ambas estão na essência de um governo que reúne uma coalizão heterogênea de vários matizes de direita.

A ala militar é formada basicamente por generais da reserva da geração do próprio Bolsonaro, mobilizados politicamente a partir do momento em que, no governo Dilma Rousseff, a Comissão da Verdade desprezou a versão deles para os eventos da ditadura.

A ala ideológica soube aproveitar a mobilização em torno do sentimento antipetista que cercou o impeachment de Dilma para disseminar o nome de Bolsonaro nas redes sociais e tornar sua candidatura viável a partir de memes, hangouts, lives e tuítes.

Na primeira, Bolsonaro buscou a capacidade técnica e quadros para sua equipe de governo. Na segunda, as ideias e a visão de mundo que embasam a versão do populismo nacionalista que tenta implantar.

Se tivesse mais talento para a política, teria sabido equilibrar as demandas de ambas. Teria usado o conflito para consolidar sua liderança. Inexperiente, deixou acontecer o oposto. Revelou-se fraco, incapaz de evitar o choque entre os que o cercam. Tornou-se refém do maior risco desde o primeiro dia de governo: a família.

Ao abrir espaço no governo para dois de seus filhos, Bolsonaro criou para si mesmo o dilema de que não consegue escapar. Qualquer tentativa de disciplinar a ala ideológica se torna deslealdade familiar. Como reação, o vice-presidente e seus aliados militares continuarão a tentar cavar e a ocupar um espaço próprio.

Se a disputa persistir, quem pagará o preço será o próprio Bolsonaro. Nos cenários mais extremos, ou bem ele se alia aos ideológicos para tentar um golpe, mas aí é barrado pelos militares que se proclamam garantia da legalidade. Ou então fica isolado, e seu conflito com o Congresso descamba para um processo de impeachment. Nos dois casos, manter a confiança dos militares – e não o amor dos filhos – é o fator crucial para Bolsonaro ficar no poder.

Helio Gurovitz

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS