Tempo - Tutiempo.net

Ludhmila Hajja: “Fiquei honrada, mas há pontos de divergência com o governo”

Ludhmila Hajjar recusa Ministério da Saúde

Ludhmila Hajja , cardiologista do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, falou sobre os motivos que a levaram a recusar o convite de assumir o comando do Ministério da Saúde. A entrevista foi para o canal CNN .

A doutora relatou que existem “pontos de divergência com o governo”.

Os principais relatados entre a cardiologista é a promoção do chamado  tratamento precoce, citando a cloroquina; hidroxicloroquina; ivermectina; azitromicina; zinco; e a vtamina D.

Segundo a doutora, estas medicações “já se demonstraram não ser eficazes no tratamento contra à Covid-19” e que essa é a sua posição.

Ludhmilla também relatou que “a prioridade do presidente é a questão social e a questão econômica ” e, segundo a médica, “não tem jeito de ir contra” a ciência.

Após seu encontro com Bolsonaro ter sido divulgado no domingo (14), Ludhmila passou a ser atacada por bolsonaristas nas redes sociais, por conta de declarações da médica favoráveis ao isolamento social e contra o tratamento com a cloroquinha.

A médica havia conseguido apoio de parte da classe política, de ministros de Bolsonaro, e do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que saiu em defesa da cardiologista.

A segunda conversa entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e a médica Ludhmila Hajjar, que aconteceu na manhã desta segunda-feira (15), não evoluiu e ela não tem mais chences de assumir o Ministério da Saúde.

Ludhmilla disse a interlocutores que negou o convite para assumir a pasta. As informações foram publicadas na coluna da jornalista Bela Megale, do jornal ‘O Globo’.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS