Tempo - Tutiempo.net

Michelle Bolsonaro faz da internação do marido um ‘Big Brother’

O big brother de Bolsonaro

A internação de Jair Bolsonaro (sem partido) no Hospital Vila Nova Star, na Zona Sul de São Paulo, tem servido para tirar a atenção dos temas que preocupam e incomodam o Planalto.

A imprensa noticiou que um andar quase inteiro do hospital foi fechado para receber o presidente. As despesas da internação são bancadas com dinheiro público.

Nas redes sociais, detalhes da estadia do presidente são publicados como enredo de novela, e a principal entusiasta dos registros é Michelle Bolsonaro. Menos de 24 horas após a internação do marido, a primeira-dama recebeu no hospital o maquiador ‘popstar’ Agustin Fernandez, que tem mais de 3 milhões de seguidores.

Michelle compartilhou um vídeo publicado por Agustin, em que ela e o maquiador brindam e se divertem. “Hora do lanche das enfermeiras. Detalhe: a saúde do paciente está melhor que a nossa”, escreveu ele.

No hospital, Michelle ainda fez questão de revelar um presente que ganhou do maquiador: um jogo de xícaras da loja de alto padrão de móveis e decoração Tania Bulhões.

“A cara da riqueza”, comentou a esposa do presidente. As xícaras apresentam detalhes em ouro e cada uma delas custa R$ 145, segundo o site da loja.

Quem também trouxe um agrado para Michelle foi o ex-chefe da Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social) Fabio Wajngarten.

Sem mostrar muitos detalhes, a primeira-dama gravou as sacolas da Frutaria São Paulo que teriam sido entregues por Wajngarten e o agradece. “Fábio sendo Fábio. Thanks, brother!”.

Michelle ainda divulgou uma imagem de Bolsonaro ao lado de uma outra paciente. Ambos sem máscara, o presidente e a mulher não identificada fizeram sinal de positivo enquanto posavam para a foto. “Custoso demais”, escreveu a primeira-dama.

Do hospital, Bolsonaro entrou ao vivo no programa “Alerta Nacional”, de Sikêra Jr., apresentador que está na folha de pagamento do governo.

No mês passado, o Pragmatismo revelou que Sikêra recebeu R$ 120 mil em cachê da atual gestão federal.

O ‘Big Brother’ de Bolsonaro no hospital repercute na imprensa brasileira.

“Não bastasse o presidente ter feito campanha contra o uso de máscaras na pandemia, chegando ao disparate de tirar a proteção de crianças em um ato de campanha pré-eleitoral no RN, agora são divulgadas fotos dele andando pelos corredores e ao lado de outros pacientes, no hospital Vila Nova Star, sem usar o equipamento”, observou Leonardo Sakamoto.

“Desde que foi internado, Bolsonaro está divulgando mensagens apelativas, buscando empatia da população com seu quadro clínico, a fim de melhorar sua popularidade — que está em baixa por conta das denúncias de corrupção na compra de vacinas por seu governo. Ele confirma não sentir empatia por outras pessoas ao ignorar o uso da máscara nas áreas comuns de um hospital enquanto temos 540 mil mortos”, acrescentou o jornalista.

Sakamoto lembra ainda que Bolsonaro não quis se vacinar porque acredita, erroneamente, que quem pegou o Covid já está protegido.

Desde o início da pandemia, o presidente defende a contaminação ampla da população, acreditando que isso trará uma imunidade de rebanho, fazendo com que o vírus pare de circular.

A tese é rejeitada pela Ciência, uma vez que se trata de uma doença que já matou 540 mil e produz mutações que podem reinfectar de forma grave mesmo os quem já pegaram a doença.

Novas denúncias de corrupção

Nesta sexta-feira (16), uma nova denúncia revelou que o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, negociou a vacina CoronaVac pelo triplo do preço adquirido pelo governo de São Paulo.

Em uma gravação que já está sob posse da CPI, Pazuello teria prometido a um grupo de intermediadores adquirir 30 milhões de doses da vacina chinesa, ofertadas ao governo brasileiro, por quase o triplo do valor negociado com o Instituto Butantan.

O encontro foi realizado no gabinete do então secretário-executivo da pasta, o coronel da reserva Elcio Franco, no dia 11 de março, em uma reunião fora da agenda oficial.

Aparecem no vídeo o general do Exército e quatro pessoas que representariam a World Brands, uma empresa de Santa Catarina que lida com comércio exterior.

A proposta da World Brands — também obtida pelo jornal — oferecia as 30 milhões de doses da vacina do laboratório chinês Sinovac pelo preço de US$ 28 cada dose, e com depósito de metade do valor total da compra — R$ 4,65 bilhões, considerando a cotação do dólar à época — até dois dias após a assinatura do contrato.

Na ocasião, o governo brasileiro já havia anunciado, dois meses antes, a aquisição de 100 milhões de doses da CoronaVac junto ao Butantan, pelo preço de US$10 a dose.

Pazuello foi exonerado do cargo quatro dias depois do encontro em questão, no dia 15 de março.

RPP

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS