NA LISTA DA PROPINA FALTA DINHEIRO OU FALTAM POLÍTICOS OU FALTA VERDADE

Muito estranha a lista dos beneficiários de dinheiro de empreiteiras que trabalhavam para a Petrobras, divulgada hoje pelo Estadão.

Dois valores citados, chega-se á conclusão que os maiores foram para políticos de oposição, em valores que, de forma alguma, poderia ser confundidos com doações eleitorais: Eduardo Campos (R$ 20 milhões) e Sérgio Guerra (R$ 10 milhões).

Supõe-se que, embora hoje ambos estejam mortos, Costa tem os meios de demonstrar como e por que meios foram feitos os repasses.

Aliás, o mesmo deve se aplicar àqueles que, diz o jornal, “segundo o ex-diretor de Abastecimento, recebiam repasses com frequência ou valores que chegaram a superar R$ 1 milhão”.

Mas, estranhamente, a reportagem afirma que “sobre vários políticos, o ex-diretor da estatal apenas mencionou o nome. Não revelou valores que teriam sido distribuídos a eles ou a suas agremiações”.

Muito pouco para quem está “enojado”, “arrependido” e disposto a “entregar tudo”.

E para quem vai sair livre depois de ter roubado – com todo este “nojo” alegado – R$ 23 milhões de dólares, com a ajuda da família, também perdoada.

Não tenho a menor simpatia por nenhum dos citados – muito ao contrário, na maioria dos casos – mas é preciso discernir entre o que é pedir para conseguir doações e negociar contratos para receber propina.

Porque se pedir doações eleitorais de empresas for crime, dos 513 deputados e 81 senadores sobraria uma dúzia, se tanto.

Nenhuma empresa doará se não se lhe pedir, não é?

Goste-se ou não (viu, Ministro Gilmar Mendes?) é assim que funciona as eleições com financiamento privado de campanhas.

É algo completamente diferente, senão do ponto de vista moral, do ponto de vista jurídico.

O tráfico de influência, juridicamente, liga o pedido à promessa de uma vantagem.

Dizem as metáforas jurídicas que teria vindo de um certo Vetronio Turino, que vendia supostos favores do imperador romano Alessandro Severo e que foi executado com fumaça, pois fumaça vendia.

Não duvido que os demais políticos citados tenham pedido a Paulo Roberto Costa que conseguisse doações de empreiteiras para suas campanhas.

Centenas de candidatos a deputado, a senador, a governador, a vereador pediram diretamente ou solicitaram a alguém que pedisse dinheiro a empreiteiras. No mínimo, aceitaram que alguém pedisse em seu nome.

Será que as empreiteiras, as citadas na Lava Jato e outras, foram bater na porta de Aécio Neves e dizer “queremos te doar R$ 50 milhões”?

Será que a Odebrecht (diretamente ou através de sua controlada Foz do Jaceaba) doou mais de R$ 7 milhões a Aécio, sem contar os R$ 4 milhões da Braskem, da qual é sócia?

Será que os candidatos mandam pedir ao contínuo das empresas?

Se esta lista for tratada sem hipocrisia, ela é muito pequena. Se for olhada frente à realidade política que faz as campanhas mergulharem na tenebrosa promiscuidade pode incluir quem não fez nada além de pedir que pedisse, sem prometer ou acenar com vantagem.

E se for olhada pelo ângulo do dinheiro, está faltando, se chegou à casa dos bilhões que se diz ter chegado.

Tem contra-sensos evidentes, como dar 20 milhões de reais à campanha de um governador e, supostamente, um décimo disso a uma campanha presidencial. Aliás, a Odebrecht deu o mesmo valor às campanhas de Dilma e de José Serra, naquele ano…

Ou será que foi Costa que prometeu conseguir doações para construir uma teia de simpatias para que ele próprio pudesse, “enojadamente”, roubar a Petrobras?

De qualquer forma, a registrar que o “vazamento seletivo”, antes circunscrito aos Ministério Público Federal do Paraná, chegou à Procuradoria Geral da República.

A ver como reagirá o Procurador-Geral Rodrigo Janot a isto. Porque, se ele mantém estes depoimentos a sete chaves, deve saber quem deles poderia “catar” nomes.

Ou se quem os enviou a ele está fazendo isso, traindo seu dever funcional.

 

Fonte: Fernando Brito

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS