No Brasil 126.650 mortes pelo Covid-19 cai na normalidade.

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

Nesse domingo (6), a informação de que a pandemia do novo coronavírus no Brasil atingiu os índices alarmantes de 126.650 mortes.

É como se estivessem anunciando os valores de um dos sorteios da Caixa Econômica, que acumulou para o sorteio seguinte.

Quanto maior os números, mais atrativo fica. Como existe 2.475 mortes em investigação, está na hora de se fazer uma fezinha.

Desde o início da pandemia, 4.137.521 pessoas foram infectadas com o coronavírus.

No sábado e neste domingo, (60, foram registrados mais 14.521 pessoas diagnosticadas com a doença.

No entanto, segundo as estatísticas nos sábados, domingo e segunda-feira os casos são menores, justamente pelas limitações de alimentação das informações coletadas pelas secretarias de Saúde.

Levando um acréscimo nas terças-feiras, quando os dados do fim de semana são agregados. .

Nesse domingo o registro confirma que 693.644 pessoas estão em acompanhamento e 3.317.227 pacientes já se recuperaram.

A letalidade se mantem em 3,1%. A mortalidade (óbitos pela população) ficou em 60,3. Já a incidência (total de casos em relação à população) subiu para 1968,9.

Estados

Os estados com mais registros de morte pela covid-19 são São Paulo (31.353), Rio de Janeiro (16.568), Ceará (8.565), Pernambuco (7.702) e Pará (6.249). As unidades da Federação com menos vidas perdidas até o momento são Roraima (598), Acre (624), Amapá (672), Tocantins (748) e Mato Grosso do Sul (966).

As unidades da Federação com um número menor de infectados são Acre (25.443), Amapá (44.770), Roraima (45.137), Mato Grosso do Sul (53.491) e Tocantins (55.513).

A situação ainda deve ser de controle, as aglomerações devem ser evitadas, o retorno a normalidade ainda não tem uma previsão, a população pode ser surpreendida.

Vamos voltar as atividades consideradas prioritárias para a sobrevivência de forma mais lenta para evitar que o pico da infectação tenha um retorno e obrigue a tomada de decisões mais impactantes na vida e na economia.

Cljornal

OUTRAS NOTÍCIAS