Tempo - Tutiempo.net

O Escândalo do Barco é o episódio mais ridículo da história da mídia.

Esse é o iate de Lula

Há uma cena particularmente engraçada no filme Butch Cassidy.

No final, Butch e seu companheiro Sundance Kid estão encurralados num canto na Bolívia.

A polícia local pede reforços para o exército nacional. Vão chegando soldados às dezenas, centenas.

O comandante da tropa pergunta num certo momento ao chefe da polícia. “Quantos são?”

A resposta vem seca: “Dois.”

O comandante faz uma careta de espanto. Imaginava um número considerável de bandidos.

“Dois???”

“Dois.”

Lembrei desta cena com o episódio do barco de Lula.

Imagino dois leitores da Folha, que deu o furo como se fosse um novo Watergate, num diálogo assim.

Leitor 1: “Viu essa? Descobriram um barco do Molusco. Pegaram até a nota fiscal. Não tem como negar e dizer que não é dele.”

Leitor 2: “Esse Molusco tinha mesmo que se ferrar. Nove Dedos. Brahma. Deve custar uma fortuna o barco.”

O Leitor 2 mentaliza um iate igual ao de Roman Abramovic, o dono do Chelsea. O nome é Eclypse, e é conhecido como o Iate de 1,5 bilhão de dólares.

Leitor 2: “Quanto custa o barco do Brahma?”

O Leitor 1 mostra quatro dedos.

Leitor 2: “4 milhões de dólares?”

Ele ficou até decepcionado. Que são 4 milhões de dólares diante de 1,5 bilhão?

Leitor 1: “Não. 4 mil reais.”

Leitor 2: “O que??? 4 mil reais???”

Ele estaria menos inconformado se o preço fosse pelo menos em dólar. Numa rápida conta, ele percebeu que poderia comprar uma frota de barcos como os do Brahma.

Leitor 2: “Você tem certeza de que não errou? Não são 4 milhões de dólares? Dá uma conferida no site da Folha.”

O Leitor 1 começa a desconfiar da sua informação. Pensa que deve ter visto errado. O Moro não faria estardalhaço por uma ninharia. Começa a se condenar por passar adiante uma quantia sem sentido. Seu interlocutor vai achar que ele é uma besta, um cara capaz de falar num homem de 8 metros. Pega seu celular e vai checar.

4 mil reais.

Leitor 1: “Tou com um problema de conexão. Não tá dando pra checar. O importante, aliás, não é o preço. É o barco em si. Molusco ladrão!”

E assim se despedem os dois leitores da Folha, rumo ao planeta paralelo em que vivem sob o noticiário do jornal.

Penso neles e penso na mídia.

Os jornais já tinham perdido o pudor em relação ao jornalismo tão desiquilibrado e parcial que praticam.

Agora perderam também o senso do ridículo.

Em minha carreira de 35 anos, vi muitas coisas cômicas, ou tragicômicas, em jornais e revistas. Estava na Veja, por exemplo, quando saiu o “Boimate”, a combinação de boi com tomate, piada de uma publicação científica americana que a revista levou a sério.

Vi a Folha publicar, depois de uma decisão de Fórmula 1 no horário brasileiro da madrugada, um texto com a vitória de Senna e outro com a vitória de Prost, tudo isso numa só página para o leitor ler como lhe conviesse.

Mas nada, rigorosamente nada, se compara em estupidez à tentativa de transformar um barquinho mixuruca num escândalo nacional.

Paulo Nogueira

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

OUTRAS NOTÍCIAS