O gabinete do ódio encontrou a melhor forma de exterminar os índios

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email
Governo federal abandona índios na pandemia

Na Reserva Indígena de Dourados, a maior do país, com 13 mil indígenas, houve um aumento, em 17 dias, de 7.400% no número de contaminados por coronavírus.

Dia 13 de março, foi confirmado o primeiro caso na aldeia. No último sábado, o boletim epidemiológico do governo do Mato Grosso do Sul mostra que já são 74 contaminados.

Os dados alarmantes fizeram o Ministério Público Federal do Mato Grosso do Sul acionar a Justiça para cobrar providências do governo federal.

O órgão exige Equipamentos de Proteção Individual (EPI) para todos os profissionais das Equipes Multidisciplinares da Saúde Indígena e demais servidores que atuem nas aldeias; insumos e medicamentos para tratamento dos doentes; além de medida para isolamento dos contaminados nas aldeias, ou fora, mas com acomodações adequadas para os indígenas.

Na ação, o Ministério Público Federal determina o pagamento de uma multa diária de R$ 50 mil, caso as medidas sejam descumpridas.

A Justiça Federal do Mato Grosso do Sul negou a liminar urgente do órgão para que possa ouvir o governo federal antes de tomar uma decisão sobre a proposta do órgão.

Em nota, o Ministério Público Federal afirma que acionou a Secretaria Especial da Saúde Indígena (Sesai) e o Distrito Sanitário Especial Indígena do Mato Grosso do Sul (Disae) para que prestassem assistência imediata à Reserva Dourados. Porém, não obteve retorno.

Uma indígena de 58 anos pode ser a primeira morte por coronavírus confirmada na Reserva de Douradas. A mulher morreu com sintomas da doença e a Disae está investigando a causa do óbito.

Em resposta às perguntas enviadas pelo Brasil de Fato, o Ministério da Saúde informou que uma “carga de insumos e Equipamentos de Proteção Individual (EPI) saiu, nesta segunda-feira (01/06), da sede do Distrito Especial Saúde Indígena (DSEI) Mato Grosso do Sul, em Campo Grande, para os 14 Polos Bases e três Casas de Saúde Indígena (CASAI) da região”.

O órgão também afirma ter adquirido EPIs, álcool em gel, sabonete líquido e papel toalha, com previsão de chegada na terça-feira (02/06); diz que realizou adequações nas Casas de Saúde Indígena e que está buscando parcerias com instituições municipais, estadual e empresas para disponibilizar outros locais para isolamento de pacientes.

“Os medicamentos estão em processo de aquisição, com recurso empenhado para solicitação emergencial. Quanto à contratação de Equipe de Resposta Rápida, não houve médicos interessados no processo seletivo do edital”, assegurou o Ministério.

Título cljornal  –  Texto Igor Carvalho

OUTRAS NOTÍCIAS