O governo de Goiás gastou R$ 32 milhões do dinheiro publico em shows

Share on whatsapp
Share on twitter
Share on facebook
Share on google
Share on linkedin
Share on email

O governo de Goiás gastou R$ 32 milhões em shows e patrocínio de eventos este ano, até a primeira semana de agosto. A despesa representa mais que o dobro de todo o valor gasto em 2012, de R$ 13,5 milhões.

Os dados foram levantados pelo POPULAR na relação de contratos da Goiás Turismo e da Secretaria Estadual de Cultura (Secult). Apenas com shows, os custos somam R$ 22,3 milhões.

Alvos de questionamentos do Ministério Público de Contas (MPC), as contratações, com dispensa de licitação, também levantam o debate sobre a definição de prioridades do poder público, tema que se destacou nas manifestações populares de junho em todo o País.

Com R$ 32 milhões disponíveis, o governo poderia investir em setores que necessitam de investimentos mais urgentes, como saúde, segurança pública, educação e tratamento de dependentes químicos (veja quadro) – todos apontados como principais problemas nas últimas pesquisas realizadas no Estado.

Em 2011, no primeiro ano do terceiro mandato do governador Marconi Perillo (PSDB), O POPULAR mostrou que foram registrados gastos de R$ 7,5 milhões com shows, mesmo com o governo alegando dificuldades financeiras e necessidade de ajustar as contas.

Apesar dos dados terem sido confirmados pelos órgãos do governo, o Portal da Transparência registra apenas R$ 5,16 milhões como gastos totais com shows e eventos naquele ano.

Em 2012, o valor com shows subiu para cerca de R$ 10 milhões. O POPULAR mostrou, em agosto de 2012, que os valores com shows no período de eleições municipais se elevaram. Juntamente com eventos, as despesas registradas foram de R$ 13,5 milhões.

Este ano, quando o governo batalha para recuperar a popularidade, os gastos e o número de shows subiram consideravelmente. Foram 306 shows contratados pela Goiás Turismo, ao custo total de R$ 21,18 milhões.

Já em patrocínio de eventos, foram aplicados R$ 9,8 milhões, em 51 convênios fechados com prefeituras ou instituições.

A maioria das apresentações contratadas pela Goiastur é de duplas ou cantores sertanejos. No ranking dos dez artistas que mais receberam do governo este ano, todos são sertanejos (veja quadro ao lado).

Seis empresas concentram a metade dos gastos com shows. A MR Eventos aparece em primeiro lugar, com contratos que somam mais de R$ 2,2 milhões.

Já a Secult contratou shows para quatro eventos: 16 para o Arraiá do Cerrado, em Goiânia, ao custo de cerca de R$ 500 mil; 27 para o Festival de Cinema e Vídeo Ambiental (Fica), na cidade de Goiás, ao preço de R$ 337,5 mil; 1 show para o 13º Encontro de Culturas da Chapada dos Veadeiros, por R$ 25 mil e 24 para o Festival Internacional de Música (Figo), no valor de R$ 253 mil. Este último será realizado esta semana, em Goiânia e em Pirenópolis.

O governo argumenta que os shows são demandas da população, especialmente de cidades do interior, e que movimentam a economia local (leia reportagem ao lado).

Recentemente, diante das críticas, a Goiás Turismo decidiu publicar nos atos oficiais as emendas parlamentares para investimentos em festas. No entanto, a divulgação durou apenas uma semana.

A reportagem solicitou à assessoria da Agência de Esportes e Lazer (Agel) informações sobre shows patrocinados pela pasta, mas não obteve respostas.

A Saneago, estatal que não entra na lista de gastos do governo com shows no Portal da Transparência, também contratou artistas este ano (leia ao lado). Os gastos também estão sendo questionados em representação feita pelo MPC.    

 

Fonte: Jornal o Popular

OUTRAS NOTÍCIAS